Para Bosch, Volkswagen é responsável pela fraude de dados sobre poluentes

EmpresasHOMEInovaçãoInvestigaçãoNegóciosSegurançaSoftware

A Bosch, fabricante alemã, que fornece componentes para indústria automotiva, responsabilizou o grupo Volkswagen pela manipulação dos dados sobre emissões de gases poluentes nos veículos a diesel que foi descoberta nos Estados Unidos.

O fabricante, responsável pela tecnologia que levou os motores a diesel ao mercado europeu como alternativa aos movido a gasolina, é a fornecedora dos modelos com a família de motores ‘EA189’ do sistema de injeção por common-rail, a alimentação e o módulo que dosa o tratamento de gases de escape, além do software que embarca estes sistemas nos carros da Volkswagen.

Em comunicado de imprensa, a Bosch explica que, como é habitual na indústria auxiliar ao setor automobilístico, os componentes são fornecidos segundo as especificações da montadora. Assim a empresa atendeu uma demanda da Volkswagen.

A forma de calibragem e integração destes sistemas nos veículos completos é da responsabilidade de cada fabricante de automóveis, adianta a Bosch.

A imprensa alemã revela hoje que a Bosch advertiu o grupo Volkswagen, em 2007, sobre o fato de o software que avalia emissões de poluentes ter sido desenvolvido apenas para testes e que a utilização dele na estrada era ilegal.

Quatro anos mais tarde, em 2011, a Volkswagen também foi avisada por um engenheiro do grupo sobre as práticas ilegais nos testes de emissões, segundo um relatório citado na edição de domingo do diário alemão Frankfurter Allgemeine Zeitung, que respondia nesse momento a uma investigação interna.

A tecnologia desenvolvida pela Bosch é utilizada nos motores ‘EA189’ de 11 milhões de veículos das marcas Audi, Seat, Skoda e Volkswagen ainda que, por enquanto, apenas a marca Volkswagen tenha identificado cinco milhões de unidades em todo o mundo.

As demais marcas ainda não revelaram o número de veículos que incluem o software, tecnicamente denominado como defeat device, que altera os dados das emissões quando um veículo está sendo submetido a testes de emissões e modifica o regime de funcionamento do motor para produzir menos gases poluentes.

O desvio está centrado nos óxidos de nitrogênio, um elemento extremamente visado nas normas de emissões poluentes dos Estados Unidos em comparação com o das normas europeias (Euro5). As normas na Europa, no entanto, foram substituídas em 1º de setembro pela Euro6, agora muito mais exigente.

Nos Estados Unidos, o limite admitido é de 48 miligramas por quilômetro, enquanto o do Euro5 admitia 160 miligramas. A quantidade foi reduzida para 80 miligramas no novo conjunto de normas Euro6.

 *Com informações da Agência Brasil


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor