Polícia Federal adota Cellebrite para investigação da Lava Jato

InovaçãoInvestigaçãoLaptopsMobilidadeSegurançaSmartphonesTablets

A tecnologia está ajudando nas investigações da operação Lava Jato. A Superintendência da Polícia Federal (PF) investiga o maior esquema de corrupção no Brasil apoiada em recursos que facilitem o acesso e a extração de dados contidos nos celulares dos investigados.

Para auxiliar nas investigações, peritos e investigadores da Polícia Federal contam com a israelense Cellebrite, fornecedora de soluções para perícia forense móvel e mobile lifecycle. A solução  (UFED) da empresa possibilita extração e análise de todo conteúdo digital em smartphones, tablets ou aparelhos GPS de pessoas suspeitas ou vítimas.

A informação estratégica é obtida mesmo que tais dados sejam bloqueados por senha ou criptografia, ou ainda que tenham sido apagados da memória do dispositivo pelo usuário.

De acordo com a empresa, a tecnologia da Cellebrite é usada em mais de 60 países por órgãos de polícia, setores de inteligência, advogados e agentes legais.  O sistema dispõe de recursos de software que permitem a produção de provas forenses com níveis de evidência e formalidade compatíveis com a legislação de praticamente todos os países, incluindo o Brasil.

Segundo Marcelo Comité, diretor geral da Cellebrite para América Latina, a solução da empresa é consagrada no mercado e está preparada para trabalhar com o grande volume de informações gerado por redes sociais e em grande parte acessado por smartphones.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor