Rio Info 2015: alta do dólar pode fazer crescer indústria tecnológica

EmpresasNegócios

As empresas tecnológicas devem apostar fortemente na exportação e procurar conquistar lugares de destaque no cenário internacional. Virgílio Almeida, secretário de Políticas de Informática do MCTI, incentiva o setor nacional a aproveitar a valorização do dólar e a monetizar as oportunidades de negócio no estrangeiro.

*com Filipe Pimentel

O secretário, que se prepara para abandonar a Administração de Dilma Rousseff, na sessão de abertura do Rio Info 2015, disse que “É hora de ter ousadia e procurar essa competitividade internacional”. Virgílio Almeida acredita que o setor das TIC deve liderar a saída da crise econômica que afoga o país, considerando que seus resultados são mais positivos do que os da economia em sua totalidade.

“Apesar da crise, o setor de tecnologia da informação tem crescido a taxas muito maiores que a economia tradicional”, comentou Almeida. “Precisamos aproveitar essa característica da sociedade brasileira e a força da indústria da tecnologia da informação e acelerarmos a saída do momento de dificuldade que o país vive”. Ele realçou que o Brasil é o sétimo maior mercado de TI do mundo.

O presidente da Softex, Rubén Delgado, apela à saída da zona de conforto dos empresários brasileiros, dizendo que as empresas não remodelarem seus programas de investimento se arriscam a perder a corrida ao mercado internacional.

Ele ecoa as palavras do representante do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), acrescentando que, sendo um negócio que se estende em volta do globo, a indústria do software só tem a ganhar com a alta do dólar. “Por outro lado”, acrescenta Delgado, “toda época de crise é momento de oportunidade para as empresas em geral repensarem suas estratégias, com economia de custo e aumento de produtividade”.

O líder da Softex, no entanto, referiu que, se é papel das empresas procurar alcançar competitividade internacional, é dever do Governo criar políticas públicas que incentivem essa busca. Ele acredita que o poder governativo tem de colocar sua indústria de tecnologia debaixo dos focos de todo o mundo, através de iniciativas como o programa TI Maior ou a marca Brasil IT +. Ambas as iniciativas pretendem levar a indústria além das fronteiras do Brasil.

Essa “viagem” até aos mercados mundiais será discutida, mais aprofundadamente, ao longo do dia de hoje, na sessão “Competitividade Global das Empresas Brasileiras de TI”, do Rio Info 2015.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor