Rio Info 2015: o movimento anti-crise e fomentador do progresso do setor de TI

EmpresasInovaçãoNegóciosStartup

Assim termina mais um Rio Info. Entre a discussão das mais marcantes tendências tecnológicas, a apresentação de soluções inovadoras e o estabelecimento de parcerias e contactos entre startups e investidores e especialistas, o evento deste ano pretendeu ser um movimento de reação à crise econômica e um estímulo ao desenvolvimento do setor e à união das forças das empresas tecnológicas.

*com Filipe Pimentel

Um dos problemas debatidos na sessão de abertura do Rio Info 2015, no dia 15 de setembro, foi o aumento da carga tributária, um fator que afeta sobremaneira o setor das Tecnologias da Informação e que atrasa o seu desenvolvimento. Esse incremento, por exemplo, elimina a isenção fiscal na folha de pagamento.

Enquanto presidente da Federação Nacional das Empresas de Informática, Márcio Girão fez um apelo ao Brasil: o país tem de adotar uma postura mais flexível e resistente, que o permita ultrapassar as adversidades da atual conjuntura e não esmorecer debaixo da crise que afeta o mercado nacional. Ele disse também que os brasileiros têm de deixar de ser meros consumidores de software para passarem a ser desenvolvedores, aumentando a competitividade do setor.

Na trilha de Negócios do evento, onde estiveram presentes 102 empresas (das quais 82 eram brasileiras), foram firmadas várias parcerias e nasceram vários negócios, que deverão gerar, durante os próximos 12 meses, cerca de R$ 16,5 milhões.

Por exemplo, a Master Doc, de Espírito Santo, estabeleceu 5 parcerias com 5 empresas, na edição desse ano do Rio Info, e estima arrecadar perto de R$ 1 milhão com esses negócios. “O Rio Info para mim é como uma máquina de fazer negócios”, disse Fábio Oliveira, da Master Doc.

Por outro lado, a instituição Start IDP, que representa as tecnológicas de Vancouver (Canadá) e que se juntou à Aceleradora do Atlântico (ao lado da Softex e da Integra), criou parcerias das quais espera extrair um volume de negócio de R$ 2 milhões. Cláudio Just, um dos fundadores da organização canadense, disse no Rio Info que a Start IDP vai investir em 3 das 55 startups que analisou durante o evento, e poderá considerar a internacionalização de seus negócios. “Mas, além das três, outras empresas também poderão fazer parte de uma preparação para serem apresentadas aos nossos investidores”, explicou.

Outros debates rondaram em torno das plataformas de gestão do sistema de saúde , de sistemas de mediação para resolução de conflitos legais, da formação de profissionais de TI, do casamento entre tecnologia e a música e da informatização da Justiça.

Além disso, a Natura, a Vivo, a Bradesco, a Itaú, a Rede Globo, a Ipiranga e a Uol foram as primeiras empresas brasileiras a assinar um acordo com a ICANN (autoridade reguladora dos domínios web) para adquirirem domínios próprios para seus endereços online. Dessa forma, os domínios “.com.br” e “.org” começam a ser substituídos por outros mais personalizados, como “.vivo”, “. Itau” ou “.natura”.

No Salão da Inovação, a sua sétima edição, as empresas AnyMarket, Integrate App, Makadu e Xnfinity chegaram à grande final. No entanto, foi a paranaense AnyMarket que levou para casa a medalha de ouro, como empresa mais inovadora do Rio Info 2015.

Este ano, participaram 512 projetos no Salão, tanto brasileiros como internacionais.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor