Risco de fraudes eletrônicas inibe uso de mobile banking na AL

LaptopsMobilidadeSegurançaSmartphonesTablets

Esse é um dos resultados do estudo Visão dos consumidores latino-americanos sobre fraude eletrônica em 2015, realizado pela Easy Solutions, empresa da Total Fraud Protection. Nessa sexta edição, a pesquisa anual identificou que o medo de fraude continua sendo um fator determinante para o uso de canais eletrônicos.

Entre os que usam a Internet, o medo se move para o mobile banking (47%) ou porque não têm certeza de que a operação é realizada corretamente (21%). A abordagem aconteceu em meados de 2015, com os usuários de online banking na América Latina [do México até a Argentina], incluindo o Brasil.

O objetivo é entender o conhecimento e as atitudes dos consumidores na região em relação às fraudes eletrônicas e na utilização de canais não tradicionais, como serviços bancários online e móveis, IVRS, ATMs e pontos de pagamento eletrônico.

O relatório deste ano concluiu que o aumento da utilização de serviços bancários móveis é geral em todas as regiões, com 52% dos entrevistados respondendo que utilizam esses serviços, em comparação com 44% registrados em 2014.

A América Central e o México são regiões em que o uso é superior a 56% e 55%, respectivamente. Os brasileiros entrevistados (38%) se sentem mais confortáveis em fazer transações e pagamentos com seus smartphones do que com seus computadores (desktop ou laptop).

Entre os dados relevantes para 2015, estão o aumento do uso de aplicativos bancários para transações eletrônicas. Mais de 60% dos entrevistados são usuários de aplicativos para se conectar a serviços bancários móveis em preferência para o navegador de seus dispositivos.

Na região andina, 68% dos usuários de serviços bancários móveis preferem usar o app do banco para as operações, 63% dos entrevistados no México, 56% na região do Cone Sul e 56% na América Central preferem usar o navegador de seus dispositivos. No Brasil, quase todos os usuários utilizam o app (97%).

O estudo também revela uma mudança de atitude e maior consciência do usuário do seu papel na segurança. Em resposta à pergunta “Quem possui a maior responsabilidade na segurança das transações eletrônicas?”, 42% dos entrevistados disseram ser o usuário. No entanto, mais de 40% dos brasileiros acreditam que seus bancos ou empresas que possuem portais têm a maior responsabilidade na segurança das transações eletrônicas.

“Um dos resultados interessantes é que 67% dos usuários estariam mais dispostos a fazer transações eletrônicas se para realizar essas operações tivessem de usar mais uma senha, por exemplo”, diz Silvia Lopez, diretora de Marketing da Easy Solutions, acrescentando que isso demonstra a disposição para utilizarem uma autenticação mais forte, mesmo que isso implique em algum trabalho adicional para eles.

“Mais de 80% dos brasileiros acreditam que os bancos devem aplicar medidas de segurança mais fortes, além de um nome de usuário e senha para identificar os clientes e permitir-lhes o acesso a serviços eletrônicos”, finaliza a executiva.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor