Internet deve continuar cega, diz camara-e.net sobre neutralidade da rede

HOMELegalRegulação

A Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico, entidade multissetorial de representatividade na América Latina, é a favor de um modelo regulatório que preserve a internet como plataforma aberta, sem interferência de governos ou empresas e que evite, ao mesmo tempo, regulações intervencionistas.

De acordo com a entidade, o modelo de internet sem discriminação de tráfego ou de dados é um dos grandes responsáveis pelo desenvolvimento da Economia Digital. “A internet precisa continuar cega”, diz Caio Faria Lima, coordenador adjunto do Comitê Jurídico da Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico (camara-e.net). A neutralidade da rede é um dos pontos polêmicos do Marco Civil que ainda precisam de regulamentação. Faria Lima participa de audiência pública que debaterá o tema em Brasília.

De acordo com o princípio da neutralidade, a rede deve ser igual para todos, não diferenciando o tipo de uso. Dessa forma, o internauta paga pela velocidade e volume contratados e não pelo tipo de conteúdo que acessa, ressalta a entidade. Isso significa que as operadoras de telecomunicações que oferecem serviços de conexão à internet não podem discriminar ou degradar o tráfego de dados do usuário em razão do conteúdo que ele está acessando.

A entidade destaca que a audiência pública deve debater é a regulamentação das exceções à regra. As exceções dizem que as teles só podem discriminar/degradar o tráfego se ele comprometer a prestação de serviços adequada da operadora ou se houver interferência nos serviços de emergência.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor