Minicom não descarta possibilidade de ajuda na recuperação da Oi

EmpresasNegóciosOperadorasRedes

O Ministro das Comunicações André Figueiredo disse hoje (27), no segundo dia da Futurecom 2015, evento de telecomunicações que acontece em São Paulo até o dia 29, que não descarta a possibilidade de “incrementar a recuperação da operadora, não necessariamente com investimentos diretos”.

A declaração do ministro foi em resposta a um jornalista que o questionou se o governo pretende ajudar a Oi, cuja dívida líquida supera quatro vezes o Ebitda, sendo a empresa brasileira mais endividada do segmento, que atualmente integra o jogo da consolidação que está sendo desenhado com a TIM.

Figueiredo ressaltou que a questão não deixa de ser uma preocupação para o ministério. “Mas acreditamos plenamente que existam mecanismos que podem fazer com que a Oi, que é a empresa com maior capilaridade na telefonia fixa, se recupere. Nós pensamos sim em incrementar essa recuperação”, acrescenta e alerta que o governo pretende sim adiantar a revisão da regulamentação, mas não por conta da possível consolidação entre Oi e TIM, mas pelas bandeiras levantadas pelo Minicom de agir com preocupação, ousadia e urgência.

Em divulgação recente da agência de notícias Reuters, o grupo de investidores russos, liderado por Mikhail Fridman, Letter One, enviou à Oi a proposta de aporte de capital de US$ 4 bilhões, sob a condição de a companhia brasileira de telecomunicações promover consolidação de negócios com a TIM Participações.

Como ficarão as participações do grupo Letter One, Oi e TIM? Essa parece ser a questão do entrave da negociação e consequentemente de uma proposta, de fato, efetiva nesse cenário, que pode levar à consolidação entre OI e TIM, de acordo com analistas do setor.

O Ministro manifestou a possibilidade de o Ministério das Comunicações (Minicom) interceder nessa consolidação, caso seja notificado oficialmente sobre a questão.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor