Centro tecnológico da Atos vai monitorar 144 locais olímpicos do Rio 2016

CloudData CenterNegócios

O primeiro passo de peso da Atos como líder de tecnologia do Rio 2016 aconteceu em abril de 2014, quando da inauguração do Integration Test Lab (ITL) – Laboratório de Testes de Integração dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016, no Rio de Janeiro, na sede do Comitê Olímpico Internacional (COI), no centro da capital carioca.

Agora foi a vez de outro feito importante com a inauguração hoje (25/11) do Centro de Operações Tecnológicas para os Jogos Olímpicos e Paralímpicos 2016 (TOC). Ele é nada menos do que um centro de controle que supervisiona todos os 144 locais olímpicos de competições e não competições. Totalizando 800 metros quadrados, o centro irá monitorar e gerenciar os sistemas de TI que permitem a condução dos jogos, enviando resultados das competições esportivas olímpicas e paraolímpicas à mídia mundial em tempo real.

A Atos prossegue com a meta de somar as 200 mil horas de testes no laboratório para que tudo funcione perfeitamente bem durante o Rio 2016. De acordo com Patrick Adiba, vice-presidente executivo e CCO – Olimpíadas e Grandes Eventos da Atos, até o momento 40% dessa meta já foi concluída. Até maio de 2016, os testes prosseguem com o objetivo de esgotar o máximo possível a identificação de possíveis erros e suas respectivas soluções.

“Dois testes importantes acontecerão em março e no final de maio de 2016. Quando serão simulados momentos de pico do evento”, revela Michele Hyron, Chief Integrator Rio 2016 da Atos, acrescentando que terão tempo suficiente para traçar estratégias de soluções, caso sejam identificados problemas.

Em sintonia com a era da transformação digital e febre da mobilidade, será a primeira vez que parte dos sistemas de TI dos Jogos de Verão, entre eles o Portal de Voluntários e o Sistema de Credenciamento, estará no modelo de cloud, por meio de nuvem privada da Embratel, no Rio de Janeiro.

Michele ressalta que já a partir de 2018, nos jogos Pyeongchang, na Coreia do Sul, todas as operações de testes de TI passarão a ser realizadas pela Atos, por meio da tecnologia de cloud Canopy, desenvolvida em parceria com a EMC, na nuvem da Atos, em Barcelona. Sendo assim, os testes não mais serão realizados nas cidades-sedes dos jogos e sim em laboratório fixo na Espanha.

A escala e a intensidade das operações de TI dos Jogos Olímpicos exigem uma infraestrutura de cloud ágil e segura, que será proporcionada pela tecnologia da Canopy, segundo Michele. Serão proporcionados acessos aos dados de forma segura e remota para o público e uma considerável redução de custos operacionais para o COI e os comitês organizadores locais.

“Para isso, contamos com uma equipe com profissionais especializados em segurança da informação, experientes em ciberataques que irão garantir toda a proteção ao sistema. Também contamos com toda a experiência e esforço de nossos parceiros para isso”, informa Elly Resende, diretor de Tecnologia do Rio 2016.

Resende também avalia como valioso o ingresso no conceito de nuvem, em especial diante da expectativa com a movimentação que será provocada pelo evento, que, segundo ele, poderá gerar até 117 terabytes de informações.

A tecnologia da Atos possibilita a cobertura da mídia em múltiplas plataformas (a estimativa é de 4,8 bilhões de espectadores no mundo todo). Além da transmissão, a provedora é responsável pelos sistemas que incluem o Portal do Voluntário, em que acontecem o recrutamento e o treinamento de 70 mil voluntários, e também a gestão das 300 mil credenciais para que todas as pessoas envolvidas nos jogos tenham acesso às áreas operacionais durante as competições.

“As tecnologias da Atos fornecem ainda o visto de entrada no Brasil às pessoas da Família Olímpica (mídia, parceiros, atletas e autoridades esportivas) que chegam do exterior”, diz Michele.

Parceiros de tecnologia
A Atos prossegue na estratégia de trabalhar com parceiros para garantir a entrega e a qualidade de serviços que a mantém em sinergia com as necessidades e exigências do COI. Nessa edição dos jogos, irá trabalhar com a Omega (relógios, sistemas e serviços de cronometragem, cronometragem eletrônica, sistemas e serviços de pontuação e placar), Panasonic (equipamentos visuais e audiovisuais), Samsung (comunicação sem fio), Embratel/Claro (telecomunicações fixas e móveis e nuvem privada), Cisco (equipamentos de rede e comunicação sem fio e serviços de hardware especializado), Symantec (software de segurança), EMC (infraestrutura de armazenamento) e Microsoft (software de sistemas).

A partir de 25 de julho de 2016, o TOC vai operar com plena capacidade de 500 Business Technologists, ocupando 187 posições para gerir e monitorar os sistemas e a infraestrutura de tecnologia por 24 horas por dia, sete dias por semana. Essa infraestrutura inclui segurança, telecomunicações, energia e sistema de resultados. Contará com equipe combinada, composta pelo time de tecnologia do Rio 2016 e pela Atos, que atua em conjunto com ouros parceiros de tecnologia.

Rio 2016 em números

4.8 bilhões de espectadores no mundo todo

30.000 veículos da mídia

37 locais de competição com infraestrutura de TI completa

14.850 atletas

300.000 credenciais

70.000 voluntários

200.000 horas de testes de TI

250 servidores

*A jornalista viajou ao Rio de Janeiro a convite da Atos

 


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor