Intel e Jacto vão levar Internet das Coisas ao Agronegócio

EmpresasMobilidadeNegócios
0 0 1 Comentário

A Intel e a Jacto, empresa de máquinas agrícolas, anunciam colaboração para levar a Internet das Coisas (IoT, na sigla em inglês) ao Agronegócio por meio do Centro de Inovação no Agronegócio (CIAg). O centro é uma organização sem fins lucrativos estabelecida pela Fundação Shunji Nishimura de Tecnologia que permitirá a interação entre os fazendeiros, múltiplas empresas do setor e a academia.

O CIAg conta inicialmente com a participação da Jacto, da Intel, e do Governo do Estado de São Paulo, por meio da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado e do Centro Paula Souza.

Entre as ações previstas estão estudos para o desenvolvimento de sistemas integrados para gestão de pragas e o desenvolvimento de uma plataforma colaborativa que permitirá a interoperabilidade e o compartilhamento seguro de dados, captados por sensores e outros equipamentos utilizados no dia a dia da agricultura.

O objetivo desses sistemas é a coleta, compartilhamento e a análises inéditas das informações obtidas no campo pelos diversos agentes envolvidos na cadeia produtiva, permitindo a tomada de decisões, redução de riscos e prescrições muito mais assertivas.

“Até 2045, teremos utilizado toda área economicamente viável para plantio no planeta e é fundamental que se aproveitem os recursos de forma mais eficiente e sustentável. Para isto, precisamos de um novo mecanismo colaborativo no agronegócio que permita a integração não somente dos fazendeiros e agrônomos, mas também dos prestadores de serviço e máquinas agrícolas conectadas à Internet das Coisas”, comenta Fernando Martins, diretor Executivo da Intel Brasil.

De acordo com Jorge Nishimura, presidente do Conselho de Administração de Máquinas Agrícolas Jacto o agronegócio é muito complexo e precisará intensificar a utilização das tecnologias de IoT na sua cadeia em pelo menos cem vezes, para endereçar estas perdas. “Isso será possível somente através do desenvolvimento de conhecimentos, competências e tecnologias locais. Estamos animados com as possibilidades que a criação do CIAg vai abrir ao mercado, principalmente em seu poder de unir empresas, produtores e a academia”, complementa Nishimura.

O CIAg terá sede própria localizada na cidade de Pompeia, interior do estado de São Paulo.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor