Truffle Capital: “O problema na Europa é que as organizações ainda não estão adotando cloud”

HOME

Bernard-Louis Roques, cofundador de Truffle Capital, explica em entrevista que apesar de haver maturidade na oferta cloud, essa mesma maturidade não existe na procura.

Bernard-Louis Roques é cofundador da Truffle Capital, uma das empresas de capital de risco com maior peso na Europa. Considerado como um pioneiro nesta matéria, mais concretamente no capital de risco nas Tecnologias de Informação, assiste com entusiasmo à mudança de paradigma que as TIC europeias vivem.

A entrevista surgiu no âmbito da publicação anual do Rande fabricantes de software na Europa, que mostra um elevado investimento em I&D, superior às receitas geradas pelas empresas. O executivo considera que isto é um indicador de que os próximos anos vão ser “muito interessantes”.

Questionado sobre a adoção da cloud, Roques acredita que o problema não está tanto no lado da oferta, mas antes da procura. “As principais empresas oferecem as soluções, é o cliente que não tem suficiente maturidade para as implementar”, adverte.

Quais são as principais conclusões retiradas da nova edição do Ranking Top 100 da Truffle?

O investimento no mercado de software na Europa continua a crescer em termos de I&D. Os fabricantes investiram 7 mil milhões de euros. É um valor maior do que as próprias receitas que geraram, algo que ocorreu durante os três últimos anos, o que demonstra que os próximos anos vão a ser muito interessantes para eles, especialmente se falarmos de cloud computing.

Como está a evoluir o mercado de software com a adoção do cloud computing?

É certo que a maioria das receitas dos fabricantes de software proveem da venda de licenças de software tradicional. A venda de subscrições baseadas no pagamento por uso não só forma parte de uma mudança tecnológica, como também do próprio modelo de negócio. As receitas são menos importantes ao início, mas depois de alguns anos, entre três e cinco, serão muito mais elevadas. Trata-se de uma evolução complicada que implica um grande investimento por parte dos fabricantes europeus. Em poucas palavras, estão a investir em produtos de futuro muito diferentes dos tradicionais, daí a transição não ser fácil.

Empresas como a Oracle, que também estão a sofrer essa transição para a computação em nuvem, preveem que até 2020 80% das cargas de trabalho estarão em execução na cloud. Concorda com esta afirmação?

A tendência é a mesma, mas vejo um ritmo diferente na Europa. Há sempre diferenças entre o que acontece nos EUA e o que acontece aqui. Não é algo específico dos fornecedores de software, mas dos clientes. Existem alguns sectores específicos, como saúde, hospitais, onde os clientes não querem adotar a nuvem, porque preferem manter o software nos seus próprios centros de dados, nas suas instalações. Isso vai mudar, mas vai demorar muitos anos. Na Europa, os CIO e os responsáveis pelas TI estão relutantes em mudar os hábitos dos trabalhadores. Na Europa, somos efetivamente mais conservadores a este respeito.

Dito isto, a tendência para a computação em nuvem é imparável, pois é para aceder a recursos de forma muito mais prática, podem fazer-se muitas mais coisas através da nuvem. Mas não contemplamos que em 2020 essa percentagem de 80% ocorra na Europa.

Quanto aos diferentes tipos de computação em nuvem. Privada, pública ou híbrida, o que é a tendência na Europa?

Na Europa, a nuvem privada está mais disseminada do que nos Estados Unidos, mas a tendência é que os recursos se vão movendo para outras áreas da computação em nuvem o público. O que acontece é que em certos sectores os responsáveis estão presos por motivos de a segurança e privacidade das informações. Isso não significa que não haja segurança na nuvem pública, simplesmente não é um modelo que ainda não está ajustado a eles.

Podemos dizer que na Europa o cloud computing ainda não é um mercado maduro?

Se tivermos em conta os clientes, não é um mercado maduro. No entanto, do ponto de vista de fabricantes de software, a verdade é que sim, eles estão a fornecer desenvolvimentos avançados na nuvem. Portanto, o problema aqui é que as organizações não estão a adotar essas soluções. É uma minoria, por isso não podemos falar de um mercado maduro.

Para finalizar, um tema recorrente em que trabalha é o do investimento em empresas de tecnologia. Qual é a situação na Europa? Continua atrás de regiões como os EUA?

No mercado de investimentos, nada mudou ao longo dos últimos 10 anos. A Europa ainda está atrasada porque não é eficiente. As empresas de capital de risco não têm o mesmo apetite para investir em software quando comparado com os Estados Unidos. Se olharmos para as empresas de software públicas, as sociedades cotadas, o número diminuiu sensivelmente nos últimos anos, cerca de 40 por cento. Estas empresas de software saíram dos mercados de investimento, por isso, muitas vezes têm dificuldade em encontrar financiamento. Isso ocorre porque o mercado de capitais não tem desempenhado um papel importante no apoio a estes fabricantes.