Estas são as startups de cibersegurança mais ‘quentes’ do ano

CyberwarGestãoNegóciosSegurançaStartup

O segmento da cibersegurança foi dos que mais atraiu investidores e posiciona-se como um dos mais importantes em 2016, motivo pelo qual a Forbes elaborou um ranking das startups mais ‘quentes’ do momento. Só este ano surgiram mais de 400 novos fabricantes de software de segurança, segundo a base de dados do Hasso Plattner Institute, na Alemanha.

A lista baseia-se na atração de investimento e na valorização das startups de cibersegurança, algumas das quais já chegaram ao estatuto de unicórnios – acima de 1 bilhão de dólares. É o caso de duas das três empresas que comandam o ranking: Tanium (3,5 bilhões) e Ilumio (1 bilhão) e de várias outras no top 10. Eis o ranking completo:

1. Tanium

Fundada por David e Orion Hindawi, pai e filho, esta startup criou um sistema de gestão endpoint único e já tem na lista de clientes cerca de metade das empresas Fortune 100. Levantou 190 milhões este ano e já vale 3,5 bilhões, de acordo com a CB insights, ou 3,7 bilhões, segundo a Pitchbook.

2. Menlo Security

Lançada oficialmente a meio deste ano (tinha estado a operar em modo secreto), levantou 25 milhões numa série B de financiamento e tem um plano ambicioso: barrar o software malicioso, ou malware, antes que possa chegar à máquina do utilizador final. A avaliação ascende agora aos 127 milhões.

3. Illumio

Esta startup criou uma plataforma de cibersegurança adaptativa, algo que a Gartner incluiu na lista de tendências tecnológicas para 2016. Depois de angariar 100 milhões em abril, chegou ao estatuto de unicórnio.

4. Vectra Networks

Considerada uma das 10 startups a ter em atenção no ano passado, este ano a Vectra está a concretizar o potencial. Já vale 336 milhões com as suas soluções de gestão automática de ameaças, que inclui a monitorização do tráfego interno na rede da empresa para detetar ataques.

5. Cylance

Fundada há três anos, destaca-se pela aplicação de inteligência artificial, algoritmos e aprendizagem automática à estratégia de segurança. Recebeu 42 milhões em série C no verão e recentemente assinou uma parceria com a Dell.

6. CrowdStrike

A mais recente ronda de investimento de 100 milhões, em julho, foi liderada pela Google Capital. O seu produto principal é o Falcom, baseado em computação na nuvem, que corre analítica para identificar e neutralizar malware. A avaliação corrente é superior a 660 milhões.

7. Cyphort

Com quatro anos de operação, o foco é uma plataforma de proteção que combate ataques direcionados, espionagem corporativa e roubo de propriedade intelectual. Recebeu 30 milhões em série C em junho e vale agora 152 milhões.

8. CloudFlare

A recente ronda de 110 milhões foi liderada pela Google, Microsoft, Qualcomm e Baidu, elevando para 3,2 bilhões a avaliação total. Já processa 5% de todo o tráfego na Internet com serviços online de cibersegurança e performance the sites. No mês passado esteve envolta em polémica quando o grupo Anonymous a acusou de vender tecnologia para proteger os sites do grupo terrorista Daesh (ISIS).

9. AlienVault

Fundada em Espanha mas com sede na Califórnia, oferece uma solução híbrida de gestão de ameaças, combinada com uma plataforma de inteligência crowdsource. Em agosto recebeu 52 milhões e deu um salto para uma avaliação de 430 milhões.

10. Zscaler

A solução é 100% baseada na nuvem e justificou uma ronda de 100 milhões de investimento em agosto mais 25 milhões em setembro. Pretende ser a “Salesforce da segurança”, contando já 15 milhões de utilizadores em 6 mil empresas. É também um unicórnio: 1,05 bilhões de dólares.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor