Cidades inteligentes terão 1,6 bilhão de coisas conectadas em 2016, diz Gartner

Big DataCloudData CenterData StorageMobilidade
1 4 Sem Comentários

O instituto de pesquisas e consultoria Gartner estima que 1,6 bilhão de coisas conectadas serão usadas em cidades inteligentes em 2016, um aumento de 39% em comparação com 2015.

“Prédios comerciais inteligentes serão os principais usuários de dispositivos de Internet das Coisas (IoT) até 2017, seguidos pelos residenciais, que terão mais de 1 bilhão de dispositivos conectados em 2018”, afirma Bettina Tratz-Ryan, vice-presidente de Pesquisas do Gartner.

Segundo o Gartner, os imóveis comerciais têm-se beneficiado da implementação de IoT, pois essa tecnologia cria uma visão unificada da gestão de instalações, assim como de operações de serviço avançadas, com a coleta de dados e a utilização de milhares de sensores.

“Presente principalmente em grandes áreas, como zonas industriais, regiões de escritórios, shopping centers, aeroportos e portos, a IoT pode ajudar a reduzir custo de energia, gestão de infraestrutura e manutenção predial em até 30%”, diz a analista.

Os aplicativos comerciais que favorecem o crescimento de loT em edifícios comerciais são organizados por sistemas de gestão de informação predial, que determinam a gestão operacional, especialmente associados à eficiência energética e aos serviços centrados no usuário. Em 2016, as câmeras e webcams de segurança comercial, assim como os LEDs de interiores, chegarão ao crescimento total, representando 24% do mercado de IoT em cidades inteligentes.

A implementação de loT em edifícios comerciais continuará crescendo rapidamente nos próximos anos, e seguirá o ritmo até 2018, passando a cifra de 1 bilhão. “Os incentivos para a implementação de IoT em imóveis comerciais alimentará o seu desenvolvimento. As regras de Modelagem de Informação Predial (Building Information Modeling – BIM) do Reino Unido, por exemplo, requerem que toda construção do setor público iniciada em 2016 cumpra com a BIM nível 2”, explica Bettina.

A BIM utiliza modelos de dados vindos de diversas fontes de informação, incluindo IoT, que será usada em imóveis comerciais no futuro.

Nas casas inteligentes, os aplicativos de IoT que estão impulsionando o crescimento são as TVs, caixas de descodificação, lâmpadas e outras ferramentas inteligentes de automação residencial, como termostatos, sistemas de segurança e utensílios de cozinha inteligentes.

“A maturidade de crescimento das plataformas residenciais inteligentes, por meio do ecossistema de utensílios residenciais, entretenimento informativo e sensores residenciais, fará com que os investimentos residenciais ultrapassem os dos prédios comerciais em 2018”, diz a executiva.

Residências inteligentes representarão 21% do total de IoT em uso nas cidades inteligentes em 2016, e registrarão o maior aumento nos próximos cinco anos. “Os padrões de dispositivos e de wireless serão embutidos em mais aparelhos. As residências serão interconectadas à informação e capacitadas de forma inteligente, tornando-se um ambiente de serviços integrados que fornecerão valor para a residência e para o ambiente individual”, acrescenta.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor