Netflix torna-se global: serviço disponível em (quase) todo o mundo

EmpresasNegócios

A Netflix usou o palco do CES 2016 para supreender o mercado com o anúncio mais ambicioso da sua história, durante a apresentação do CEO Reed Hastings e do diretor de conteúdos Ted Sarandos: o serviço chegou a 130 novos países. Um lançamento simultâneo e à escala global, que eleva para 190 o número de territórios onde é possível subscrever o serviço de televisão por streaming.

* em Las Vegas

A cobertura é quase total, com algumas ressalvas: a entrada na China ainda está sendo negociada entre a Netflix e o governo de Pequim, e na Crimeia, Coreia do Norte e Síria não será possível porque as empresas norte-americanas estão proibidas de operar nesses países.

“Hoje, neste momento, vocês estão assistindo ao nascimento de uma rede global de televisão por internet”, declarou o CEO Reed Hastings na apresentação. Depois, na conferência de imprensa, fez uma comparação. “O lançamento de hoje é como ter um filho, o trabalho a sério vem nos próximos vinte anos.”

No palco do hotel Venetian, em Las Vegas (EUA), a Netflix fez um desfiles de estrelas e conversou com protagonistas das suas produções originais “Narcos” – com o brasileiro Wagner Moura, “Jessica Jones” (Krysten Ritter) e “Chelsea Does” (Chelsea Handler). Aqui está uma das chaves para o sucesso da plataforma, que no último ano disparou o investimento em séries, documentários e filmes próprios. Mas Hastings fez questão de destacar que “o conteúdo local é um paradigma antigo, em que só se pode fazer distribuição local”. O que a empresa quer é simples: “Produzir localmente e distribuir globalmente”.

Questionado sobre projetos de realidade virtual, o CEO disse que ainda estão numa fase incipiente do segmento e que, embora seja “bastante fácil colocar a experiência televisiva num aparelho”, não há ainda anúncios a fazer.

Hastings citou ainda o lançamento recente em Portugal e disse que um dos mercados de maior crescimento é a América Latina, incluindo Brasil, apesar do abrandamento da economia no país. O diretor de conteúdos Ted Sarandos revelou que está em desenvolvimento uma segunda produção local inteiramente em espanhol, uma espécie de “telenovela topo de gama” e que todos os novos conteúdos serão distribuídos em todo o mundo.

Isso porque algumas das primeiras produções originais foram licenciadas a cadeias de televisão nos países onde a Netflix não operava. Foi o que aconteceu em Portugal, o que obrigou ao lançamento do serviço sem “House of Cards” nem “Orange is the new black.”

Para os fãs de Star Wars, Sarandos indicou que a disponibilização dos episódios da saga está sendo trabalhada com a Disney, com a qual a empresa fez um acordo há três anos. No entanto, tal será possível apenas no mercado norte-americano.

E quanto à possibilidade de cobrir eventos ao vivo, como jogos, Sarandos afastou a hipótese. “A chave é o on demand. Eventos ao vivo é televisão linear, a agregação de grandes audiências ao mesmo tempo.”

Nenhum dos executivos revelou números concretos, mas disseram que não só o número de assinantes está a subir como “as pessoas estão passando mais horas a ver Netflix”. É o efeito de ‘binge watching’ que a televisão por streaming popularizou.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor