MWC: Gartner espera sensores para a Internet das Coisas e sistemas biométricos

MobilidadeSmartphones
0 0 Sem Comentários

O Mobile World Congress arranca em Barcelona na próxima segunda-feira e deverá trazer novidades viradas para a Internet das Coisas, biometria e realidade aumentada/virtual. É o que espera a diretora de pesquisa da Gartner Roberta Cozza.

“Em 2016, esperamos que os fabricantes ofereçam novos bundles de sensores e standards de conectividade para suportar o papel do smartphone como centro de cenários da Internet das Coisas, como a casa inteligente e pequenos espaços de trabalho”, indica a analista.

Outra área que estará em destaque é a tecnologia de autenticação biométrica, que irá além da impressão digital e deverá incluir voz, reconhecimento facial e outros métodos. “No futuro, isto será expandido para soluções, que ao recolher e examinar dados de sensores e biometria, como expressões faciais e tons de voz, irá detectar as emoções humanas e espoletar uma resposta ou sugestão específica a dar ao usuário.”

Roberta Cozza também espera avanços na realidade aumentada e realidade virtual, uma área onde a Samsung tem sido particularmente dinâmica.

Smartphones mais baratos

O mercado está abrandando e o maior crescimento vem dos mercados emergentes com smartphones de entrada de gama e gama média. Os modelos básicos e de entrada vão representar dois terços das vendas em 2019, diz Cozza, sublinhando que apenas 20% do total das vendas de smartphones virá dos mercados maduros.

Neste contexto, a Gartner espera que os fabricantes chineses continuem ganhando quota de mercado. “Eles estão bem posicionados para capitalizar na demanda por smartphones de baixa-média gama nos mercados emergentes, à medida que se expandem para fora da China”, diz a analista. “A sua vantagem em relação aos custos permite-lhes lançar ofertas de média gama baratas mas mais sofisticadas, ao mesmo tempo que promovem a marca.” No entanto, refere a especialista, no médio prazo estes fabricantes também serão pressionados para melhorarem a rentabilidade. “A possibilidade de algum nível de consolidação entre os fabricantes chineses não pode ser excluída.”

A Huawei foi a empresa chinesa que melhor desempenho teve no ano passado, com um crescimento sólido da quota de mercado e a terceira posição no ranking, atrás da Samsung e da Apple. A Lenovo aparece em quarto, mas com perda de terreno, e a Xiaomi vem em quinto.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor