China Development Fórum: Urge avançar para era da indústria inteligente

Negócios
0 0 Sem Comentários

Não há qualquer dúvida que escala, o mercado chinês já tem. Mas urge apostar na “inteligência” da indústria, do fabrico. Esta foi uma das conclusões do China Development Fórum, que decorreu em Pequim e que contou, entre outros, com a presença de Christine Lagarde e Mark Zuckerberg.

A China é um dos mais importantes players na economia global, disso parece não haver qualquer dúvida. Os CEO mundiais admitem mesmo que a China é o segundo mercado mais importante, depois dos Estados Unidos, de acordo com uma pesquisa recente realizada pela PricewaterhouseCoopers.

Questionados sobre quais os três países que acreditam serem mais importantes para as suas perspectivas de negócios durante os próximos 12 meses, 39% identificou os EUA como o principal mercado, 34% elegeu a China e 19% apontou a Alemanha.

A contar provavelmente com isso, a China delineou as suas ambições económicas e apresentou o seu 13º Plano Quinquenal para o período 2016 a 2020. O país garante ir “desempenhar um papel efectivo na governação económica global” e “reforçar a coordenação e cooperação com todos os outros grandes países e desenvolver com eles relações caracterizadas pela interacção positiva e cooperação win-win”, de acordo com o Relatório de Trabalho do Governo de 2016 divulgado no China Development Fórum.

A meta da China para ampliar seu volume de importação ao longo dos próximos cinco anos vai estimular oportunidades comerciais nos serviços para os países desenvolvidos com o governo a oferecer um acesso mais amplo ao mercado para empresas globais, disse o vice-ministro do Comércio, Wang Shouwen.

O setor de serviços tornou-se num importante motor para o crescimento económico da China e tem grande importância para o próximo passo na reestruturação económica, disse Wang. Graças ao aumento da procura doméstica da China para os serviços de seguros, de cultura, de telecomunicações e de informação, as importações de serviços do país chegaram aos 424,81 mil milhões de dólares em 2015, um aumento de 18,6%.

E foram muitas as intenções anunciadas em Pequim. Para além da implementação de reformas económicas e sociais, a China admite fortalecer o projeto de alto nível da sua estratégia marítima e elaborar uma lei marítima básica.

Basicamente, o país compromete-se a reforçar as capacidades de aplicação da lei marítima, usar todos os tipos de meios para salvaguardar os interesses marítimos e manter a livre navegação e segurança à passagem marítima em águas sob jurisdição da China, de acordo com o projecto apresentado à sessão anual do legislador nacional para revisão.

Miao Wei, ministro da Indústria e Tecnologia da Informação anunciou igualmente subsídios para os denominados setores verdes, como o setor fotovoltaico ou o dos automóveis movidos a novas energias.

Segundo o Governo, os setores de poupança de energia e ambientalmente amigáveis precisam de apoio governamental na sua fase inicial, quando os seus benefícios sociais superam os benefícios económicos, disse o ministro.

Enquanto houver um mercado e procura, não há nenhuma indústria em declínio”, disse Miao, prometendo que os sectores tradicionais podem melhorar a sua competitividade através da transformação.

O país procura formas alternativas de capital para entrar na indústria da proteção ambiental, num momento em que claramente os problemas ambientais avultam após anos de crescimento a alta velocidade, impulsionado principalmente pelo investimento e rápido desenvolvimento de indústrias transformadoras.

“A China está a caminho de transformação para um modelo de desenvolvimento mais verde e sustentável, e esperamos que entrem diferentes formas de capital e tragam mudanças na atualização da tecnologia, que é crucial para limpar o problema da poluição”, disse Huang Runqiu, vice-ministro da proteção do ambiente.

De resto, os decisores políticos chineses mostraram confiança no crescimento sustentado nos próximos cinco anos.

A China garante estar a fazer progressos contra os desnecessários gastos do governo, utilizando um sistema de gestão fiscal rígida indexada ao PIB e ao crescimento das receitas, disse o ministro das Finanças Lou Jiwei.

As reformas são parte de um esforço mais amplo, que começou em 2013 para modernizar os processos orçamentais do país. Um dos esforços destacados por Lou é a reforma do PIB e do regime de despesas fiscais, segundo a qual a despesa em sectores prioritários, como a educação e tecnologia, está diretamente ligada ao crescimento da receita.

O primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, reuniu-se com Christine Lagarde, diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional(FMI), um encontro que permitiu ao primeiro-ministro avançar com professar que as incertezas na economia mundial estão a aumentar e que as principais economias têm de melhorar a coordenação com as políticas macro para manter e promover a estabilidade da economia mundial e financeira.

A China demonstrou a sua oposição a qualquer “guerra cambial”, o que seria prejudicial para a recuperação suave da economia mundial, disse Li Keqiang durante a reunião com Christine Lagarde.

Li Keqiang disse que a China não vai utilizar a depreciação do yuan para impulsionar as exportações, uma vez que isso iria afetar os esforços do país para melhorar a sua estrutura económica.

O primeiro-ministro garante que a China vai impulsionar reformas no mecanismo de taxas de câmbio do yuan e garantir os flutuadores da taxa de câmbio do yuan dentro de uma faixa razoável, sendo mantido em grande medida estável a um nível adequado e equilibrado.

Uma das presenças na cimeira foi o co-fundador e CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, isto apesar da rede social continuar banida da China. Zuckerberg, que falou em mandarim, disse que nos próximos cinco a 10 anos de inteligência artificial (IA) vai entender sentidos, como visão e audição ter uma melhor compreensão do que seres humanos.

O magnata do e-commerce Jack Ma, fundador e presidente do grupo Alibaba, disse que não havia necessidade dos seres humanos temerem máquinas. “As máquinas serão mais fortes e mais inteligentes do que os seres humanos, mas eles nunca vão ser mais sábios”, disse.

No fórum, especialistas em tecnologia também compartilharam os seus pontos de vista sobre a realidade virtual, dizendo que será a plataforma de computação mais importante nos próximos cinco a 10 anos.

Apesar de, como já ter sido referido, a rede social Facebook estar banida naquele país, Zuckerberg assume estar disposto a trabalhar com as empresas chinesas a fazer pleno uso da Internet e tornar o mundo um lugar melhor.

David Cruickshank, presidente mundial da Deloitte Touche Tohmatsu, admite que para ter sucesso, as empresas chinesas não só precisam atualizar seus sistemas, mas também tem que alargar o âmbito do fabrico inteligente para toda a empresa.

Os comentários vêm no seguimento do governo central estar a avançar com o Made in China 2025, iniciativa para incentivar as empresas a aplicar automação para construir soluções de produção mais inteligentes que dependam menos do trabalho. Além disso, incentiva a personalização de produtos, em vez de focar na produção em massa.

Globalmente, existem várias versões de fabrico inteligente: a Alemanha fala em Indústria 4,0 que começa a partir da integração de hardware e software para o processo de fabrico e alavancar a Internet, enquanto nos Estados Unidos, o conceito de Internet industrial se refere à integração de máquinas complexas com sensores e software.

Cruickshank disse ser importante adequar cada mercado com diferentes abordagens, tendo em conta a cadeia de abastecimento atual e infraestrutura.

“Há muitos conceitos … Para mim, a essência é que permite que os fabricantes fiquem muito perto de seus utilizadores finais e terem o input do consumidor no que está a ser fabricado. A conexão direta carrega implicações para redes de distribuição. Por exemplo, no Reino Unido, onde estou sediado, o comércio tradicional está em dificuldades, devido a fabrico inteligente”, disse ele.

A maior força da China, de acordo com Cruickshank, é a sua escala absoluta.

Lawrence Chia, CEO da Deloitte China, concordou, observando que a maioria das multinacionais competiram entre si no mercado chinês ao experimentarem várias técnicas.

Os dados mostram que os fabricantes chineses estão realmente a abraçar o fabrico inteligente com entusiasmo. O valor de saída da indústria de fabrico inteligente da China foi de cerca de 1 trilião de iuans (153 mil milhões de dólares) em 2015 e deverá ultrapassar 3 triliões até 2020, com um crescimento médio anual de 25 por cento.

Mas um olhar mais atento mostra que as aplicações se concentram nas indústrias de automóveis, máquinas de construção e equipamentos de energia. Apenas 20 por cento das empresas estão a construir sistemas de fabrico inteligentes e menos ainda alargaram o âmbito do fabrico inteligente de integração da cadeia de valor e otimização de modelo de negócio.

Para além de dispositivos, é importante investir em sistemas, tais como plataformas de TI básicas, como planeamento de recursos empresariais, disse Cruickshank.

“Há que ter bons sistemas para que bons dados possam ser extraídos.”

Sitao Xu, economista-chefe da Deloitte China, disse que a oferta maciça de cientistas e engenheiros é uma força da China. Mas observou que o desafio derivado da força do mercado de escala, também pode ser um obstáculo.

“Porque o fabrico inteligente é fabrico a pedido. Em algum ponto a vantagem da dimensão do mercado havia de ser menos pronunciada. No passado, o fabrico chinês apoiou-se demasiado na económica de escala e no efeito cluster. A própria essência do fabrico inteligente provavelmente exige menos desses conceitos, “, disse Xu.

A China é o maior parceiro comercial da República Federativa do Brasil desde 2009, com o Comércio Internacional superando os dólares 56 bilhões, ano em que a China igualmente se tornou o maior investidor no Brasil e o segundo maior importador dos produtos da República Federativa do Brasil.

 


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor