Facebook reforça criptografia do WhatsApp. Acesso exclusivo de remetente e destinatário

CyberwarEspionagemFirewallLegalMobilidadeRegulaçãoSegurança

Os mais de um bilhão de usuários do WhatsApp, o popular serviço de mensagens do Facebook, agora estarão mais protegidos. Isso porque a configuração padrão de criptografia foi reforçada. Agora, todas as mensagens somente poderão ser acessadas pelo remetente e também pelo destinatário.

A atualização acontece em meio à intensificação do debate internacional sobre qual acesso os agentes da lei devem ter às comunicações digitais e segue um grande embate entre Apple e a polícia federal dos Estados Unidos, o FBI, sobre um iPhone bloqueado ligado a um dos atiradores de San Bernardino.

O WhastApp começou a trabalhar no desenvolvimento de criptografia completa em mensagens cerca de dois anos atrás com a ajuda de softwares fornecidos pela Open Whisper Systems, uma organização sem fins lucrativos voltada para segurança.

O aplicativo de mensagens começou a oferecer a criptografia padrão em mensagens de texto entre dois usuários em 2014, mas as mensagens em grupo e aquelas contendo mídias como fotos e vídeos não estavam totalmente criptografadas.

A partir de ontem (4), o conjunto das mensagens do WhatsApp passou a contar com criptografia total, disse o Facebook, o que significa que a empresa não terá a capacidade de ler as mensagens dos clientes, mesmo se for solicitada por agentes da lei.

Como funciona

“A ideia é simples: quando você envia uma mensagem, a única pessoa que pode lê-la é a pessoa ou o grupo para o qual você e enviou. Ninguém pode ver dentro desta mensagem”, disse o WhatsApp em uma mensagem divulgada em blog anunciando a atualização. “Nem cibercriminosos. Nem hackers. Nem regimes opressivos. Nem mesmo nós”.

*Com reportagem de Dustin Volz, da Reuters


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor