Linha BNDES MPME Inovadora empresta mais de R$ 230 milhões

EmpresasFinançasInovaçãoNegócios
0 0 Sem Comentários

A linha de crédito BNDES MPME Inovadora fechou o ano de 2015, após 16 meses de operação, com cerca de 130 contratos fechados, em todo o País, e aproximadamente R$ 230 milhões em empréstimos concedidos a MPME (micro, pequenas e médias empresas) inovadoras.

Do total de contratos, cerca de 80 foram com empresas do setor de TI, totalizando cerca de R$ 115 milhões de apoio. A linha de crédito foi criada pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e oferecida por meio de agentes credenciados do banco, como o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) e a Agência Desenvolve São Paulo.

O financiamento concedido é de até R$ 20 milhões para empresas de tecnologia que apresentem características inovadoras e faturamento inferior a R$ 90 milhões por ano. A linha possui custos e prazos diferenciados, com uma taxa de juros baseada em Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP) e com 48 meses de carência.

Além disso, a linha de crédito pode financiar até 90% do investimento total, e utilizar como garantia o Fundo Garantidor para Investimentos (FGI), o que permite que empresários sem possibilidade de dar garantias tradicionais como imóveis e finanças bancárias, possam acessar ao financiamento.

André Medrado, analista do Departamento de Tecnologia da Informação e Comunicação do BNDES, explica que a parceria com Associação Brasileira das Empresas de Software (ABES) na divulgação da linha na região Sul e Sudeste do Brasil foi importante para seu desempenho.

“Muitas vezes, o que mais falta para um empresário crescer é o acesso ao financiamento. Com o apoio da ABES, um número maior de empresas pôde conhecer a linha, permitindo que ela se expandisse”, diz, acrescentando que o setor de software está entre os que mais pode contribuir para o aumento da produtividade geral da nossa economia.

Para apoiar na divulgação da linha, a ABES é responsável pela articulação entre os bancos de desenvolvimento, que são os agentes econômicos, com os polos e entidades de classe de tecnologia e inovação; e com as empresas inovadoras.

“Somente entre as empresas associadas à ABES, mais de 85% são micro, pequenas e médias empresas. A maioria dessas empresas é responsável por grande parte dos projetos inovadores do setor de TI”, comenta Jamile Sabatini Marques, diretora de Inovação e Fomento da ABES.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor