Proteste vai defender banda larga fixa sem limite no Senado

FinançasGestãoLegalLegislaçãoNegóciosOperadorasRedesRegulação

A Associação de Consumidores Proteste participará na próxima terça-feira (3) de audiência pública no Senado para defender que não seja adotada a prática de bloqueio da internet fixa, com franquia de dados.

Maria Inês Dolci, coordenadora institucional da Proteste, representante da entidade na audiência, diz ser inadmissível restringir o acesso à internet, visto que os brasileiros já pagam caro pelo serviço e nem sempre com qualidade adequada.

“Não se pode permitir que o poder econômico das operadoras restrinja direitos, limitando o acesso à educação, trabalho e ao lazer com jogos, filmes…”, diz Maria Inês.

De acordo com a Proteste, nessa polêmica, ficou claro que as operadoras não adequaram a infraestrutura para aumento da capacidade de rede. Além disso, diante do crescimento de demanda, querem mudar o modelo de negócio, passando a focar no volume de dados trafegados e não mais na velocidade.

Por enquanto, prossegue a Proteste, houve recuo na iniciativa das operadoras de passar a vender a banda larga fixa por franquias, e limite ao uso de dados de banda larga do tipo ADSL. Mas a mobilização continua até a decisão sobre a questão. Para a entidade, o corte da banda larga só é cabível se não for paga a conta.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor