Bancos investem R$ 19 bi em tecnologia no País. Mobile Banking segue em alta

AppsEmpresasFinançasMobilidadeNegóciosSmartphones

A Federação Brasileira de Bancos (Febraban) divulgou hoje (31) em encontro com jornalistas os resultados da 25ª edição da sua pesquisa anual sobre Tecnologia Bancária, conduzida desta vez pela Deloitte, empresa de consultoria e soluções de negócios em tecnologia.

Entre os resultados do estudo estão o investimento em tecnologia, que totalizou R$ 19 bilhões, colocando o País em sétima colocação entre as dez maiores economias do mundo, em gastos com TI no setor bancário, e ainda a trajetória de crescimento do uso de canais digitais para realização de transações bancárias, com destaque para a expansão do mobile banking. Na mesma comparação, o Brasil está no topo do ranking entre os Brics.

Apesar de ser uma soma considerável, os investimentos em tecnologia recuaram 9,5%, comparados aos registrados no ano anterior (2014). O que não confere grande surpresa, nem mesmo minimiza o feito, considerando as turbulências político-econômicas pelas quais o País passou no período, freando estratégias e redirecionando esforços, justificou Gustavo Fosse, diretor Setorial de Tecnologia e Automação Bancária da Febraban. “Mas isso não foi só aqui, essa retração aconteceu no mundo todo”, destacou.

Desse total de R$ 19 bilhões, cerca de 10% são direcionados ao investimento em segurança da informação que, na avaliação de Paschoal Pipolo Baptista, sócio da Deloitte e especialista em Indústria e Serviços Financeiros, os bancos estão cada vez mais atentos e proporcionando esse diferencial estratégico.

O importante é que mesmo em um solo econômico arenoso, os investimentos no setor continuaram em trajetória positiva, colocando a preferência dos clientes por transações bancárias via mobile banking em alta. “Essa movimentação está muito balizada pelo crescente número de smartphones em circulação”, ressalta Fosse. Afinal, ele prossegue, hoje, cada vez mais, o cliente é atraído pela comodidade proporcionada pela mobilidade, que levou grande parte das transações para sua palma da mão.

De acordo com o levantamento, que abordou 96% das agências inseridas no universo das 17 mais importantes instituições financeiras presentes em solo nacional, a expansão do mobile banking, em relação aos números de 2014 (4,7 bilhões de transações bancárias), registrou alta de 138% em 2015, totalizando nada menos do que 11,2 bilhões de transações. Hoje, esse canal é o segundo na preferência dos clientes, perdendo para o internet banking, que cravou 17,7 bilhões de operações bancárias no ano passado.

A pesquisa identificou aumento nos gastos com software, que apresentou crescimento de 5%, saindo de 39% em 2014 para 44% no ano passado. O mesmo não aconteceu com os investimentos em hardware, que, ao contrário, recuou 5%, caindo para 35%, comparados aos registrados em 2014.

As instituições financeiras, ressalta Fosse, se apresentam como indutoras de uma grande transformação em curso, que incluem hábitos de consumo e acesso a tecnologias disponíveis.

De acordo com a Febraban, o relatório completo será apresentado no Ciab 2016, evento da instituição, que acontecerá em junho próximo.

 


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor