Entrevista da Semana: “Essência é maior valor de uma empresa e o que valoriza nossa tecnologia de gestão”, diz CEO da Sankhya

EmpresasERPFinançasGestãoMobilidadeNegóciosResultadosSoftware

Justo por não perder a essência é que a Sankhya, criada em 1989 no coração do mercado brasileiro, tem como diferencial a humanização da gestão. Uma empresa que, antes de tudo, aplica dentro de casa as tecnologias que cria e oferece aos clientes, em um sentido maior de socialização de benefícios proporcionados pelo controle operacional simplificado e na palma da mão.

Quem diria que a mineirinha de Uberlândia, nascida em uma salinha dentro de uma imobiliária, fruto do sonho de dois irmãos [que investiram apenas US$ 1,5 mil], um dia estaria presente em dez estados do País e Distrito Federal, com 21 unidades de negócios. Reúne hoje 600 funcionários e tem suas soluções de gestão empresarial (ERP) rodando em mais de 6 mil clientes.

Mas esse feito tem princípios. Uma boa gestão, antes mesmo do uso da tecnologia, começa pela valorização das pessoas, diz com toda a certeza do mundo Felipe Calixto, CEO da Sankhya. “Os colaboradores devem ser encarados como parceiros e não como funcionários. Isso muda sobremaneira a condução da empresa, o ambiente de trabalho e os resultados”, ensina.

Sensibilidade é o segredo dessa excelência em gestão, revela Calixto. E esse patamar somente é alcançado quando se une percepção e tecnologia. E para isso o executivo criou um procedimento fora da curva.

A empresa acompanha a evolução dos seus clientes por meio de um exclusivo modelo de diagnóstico. “É preciso ir ao cliente, observar e entender o funcionamento do negócio. E aí sim, identificar em qual estágio gerencial se encontra. Somente a partir daí, é possível definir de maneira assertiva os processos que precisam ser melhor estruturados e suas prioridades”, destaca.

Embora pareça simples essa abordagem da Sankhya, trata-se de um ponto altamente crítico do trabalho. É necessária muita habilidade para não ferir os brios do cliente. “Não é nada fácil anunciar que processos realizados há anos estão inadequados ao momento atual e sugerir outro direcionamento.”

Mas o trunfo é a tecnologia, conectada à realidade, além de um rosário de casos de sucesso, incluindo o da própria Sankhya, para derrubar qualquer barreira. Nessa toada, a empresa cresceu 80% no primeiro bimestre em relação a 2015 e planeja obter incremento de cerca de 30% este ano, com faturamento de R$ 100 milhões, mesmo em um cenário de turbulências políticas e econômicas que assolam o País. Mas de que forma?

“Vamos apoiar nosso crescimento em uma estratégia que inclui a abertura de novas unidades de negócio, investimentos em tecnologias inovadoras”, dispara, alertando que para crescer é necessário investir. “Contratamos experientes profissionais do mercado, e apostamos na capacitação, para que eles estejam aptos a ajudar os clientes a aplicar melhor os conceitos da administração para a evolução constante do negócio”, tira da manga o executivo.

Recentemente, a tal sensibilidade da Sankhya resultou na criação do módulo Gestão Estratégica. “Percebemos que o usuário precisava de um recurso simples, rápido e na palma da mão, que proporcionasse informações estratégicas para aprimorar a gestão e agilizar as tomadas de decisão”.

Assim, veio ao mundo a solução totalmente integrada no ERP e focada na aplicação dos conceitos da gestão, ajudando os usuários a gerir a estratégia por meio de uma série de indicadores de performance. Infinitamente [eu vi] mais simples do que o tradicional Balanced Scorecard (BSC), que não é intuitivo.

“O módulo traz facilidades que vialibizam a gestão da estratégia just in time. Permite partir das diretrizes da empresa e chegar até a meta individual de cada colaborador, deixando claro, para cada um, sua contribuição para o resultado global da corporação. Além disso, organiza os esforços de todas as áreas do negócio na direção desejada e clarifica os impactos de cada atividade da empresa no resultado geral”, orgulha-se Calixto.

A expansão pelas principais capitais brasileiras também continua neste ano e deve consumir investimentos de R$ 10 milhões. Estão previstas aberturas de novas unidades de negócios nas regiões Sul e Nordeste.

Com tantas perspectivas de crescimento e trajetória sustentável, a empresa não pensa em voos ainda mais altos, por meio de fusão, aquisição, participação de sócio-investidores?

“Tudo é viável para a Sankhya, desde que não saia de nossas mãos o controle da empresa e que a essência não seja perdida”, surpreende Calixto. E revela: “Somos sempre abordados e atualmente estamos em uma conversa”, adianta o empresário, com toda calma e ponderação, características de um bom mineiro.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor