Oi amplia prejuízo no 1º tri para R$1,64 bilhão

EmpresasFinançasNegóciosOperadorasRedes

A operadora de telecomunicações Oi encerrou o primeiro trimestre com prejuízo líquido de R$ 1,64 bilhão, impactada pelo resultado financeiro e ampliando uma perda de R$ 447 milhões, registrada no mesmo período do ano passado.

A companhia teve resultado financeiro negativo de R$ 1,9 bilhão no período, despesa 49,9% maior do que a do mesmo primeiro trimestre de 2015, quando as despesas financeiras da Portugal Telecom International Finance não estavam incluídas no resultado.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ficou em R$ 1,77 bilhão, queda de 12,2 % sobre o mesmo intervalo um ano antes.

A receita líquida total atingiu R$ 6,76 bilhões, redução de 4% ano a ano. Embora tenha registrado crescimento de 8,7% na receita de operações internacionais, que inclui África e Timor Leste, houve baixa de 4,4 % na receita das operações brasileiras.

A dívida líquida encerrou março em R$ 40,84 bilhões, aumento de 7% ante o fim do ano passado, enquanto o caixa disponível ficou em R$ 8,53 bilhões, queda de 49,3% sobre o trimestre imediatamente anterior.

A companhia disse que a redução do caixa ocorreu em função das amortizações de principal e juros com as dívidas, do pagamento da taxa regulatória anual do Fistel e do aumento de investimentos, que no trimestre passado somaram 1,252 bilhão de reais, 15,3 por cento acima do desembolsado nos três primeiros meses de 2015.

A Oi demitiu nesta semana cerca de 2 mil funcionários, principalmente vinculados a áreas administrativas, em um corte que se soma aos 1,1 mil funcionários demitidos pouco mais de um ano antes.

A companhia afirmou que no primeiro trimestre os custos e despesas de pessoal das operações brasileiras totalizaram R$ 657 milhões, um aumento de 11% sobre um ano antes, devido principalmente a reajuste salarial.

*Com reportagem de Priscila Jordão, da Reuters


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor