Entrevista da Semana: “Na Honeywell, o futuro é agora com prédios inteligentes”, diz diretor geral Cone Sul da Divisão de Soluções

EmpresasGestãoInovaçãoNegóciosResultados
0 98 Sem Comentários

A evolução da tecnologia é algo surpreendente, trazendo a cada dia a possibilidade de um cenário parecido com a cidade dos Jetsons, uma série animada de TV, da década de 60, que trilhava em ambiente futurista, na época, muito distante da realidade. Os prédios inteligentes, hoje ainda mais inteligentes, começam a desenhar agora esse futuro. Os mais recentes estão recheados de tecnologias capazes de satisfazer necessidades prementes de proprietários e ocupantes por mais segurança à vida, economia operacional, energética e de custos com manutenção entre outras centenas de benefícios.

Sem contar com a capacidade de gerenciar todos os sistemas de informação de um único ponto, rodeado de vídeos, todos integrados, como em uma nave espacial. É nessa atmosfera sideral que atua a norte-americana Honeywell, uma empresa global, com sede em New Jersey (EUA), com presença em 1250 pontos, em mais de 70 países.

“Temos tecnologia em uso em mais de 10 milhões de edifícios no mundo e estamos ajudando a transformar estruturas e colaboradores inteligentes para atingir as missões organizacionais”, gaba-se Ernesto Ghini, diretor geral para o Cone Sul da divisão de Soluções de Energia e Meio Ambiente da Honeywell. 

Sustentabilidade, segurança e eficiência são os três pilares da tecnologia que torna um prédio inteligente, na visão da Honeywell. “Ao utilizar as nossas tecnologias de automação de forma integrada, é possível transformar um edifício de tijolos e paredes em uma estrutura funcional, segura e inteligente. O futuro é agora”, garante o executivo.

Ele destaca que entre os países com o maior número de projetos registrados e certificados pelo US Green Building Council [que emite o certificado Leadership in Energy and Environmental Design (LEED)], estão China, Cingapura, Emirados Árabes Unidos, Brasil, Índia, Reino Unido e Canadá.

No Brasil, a empresa tem sede em Barueri (SP) e plantas de manufatura em Guarulhos e São José dos Campos (SP), Cachoreirinha (RS), Itajubá e Montes Claros (MG). E todos os estados do País podem contar as soluções da Honeywell, em especial, para edifícios comerciais que não podem arcar com um desligamento operacional por mais de um minuto, como, por exemplo, aeroportos, data centers e hospitais.

“Ajudamos a proteger e a aumentar a qualidade de vida das pessoas, gerando e utilizando de forma eficiente energia limpa, permitindo que elas possam se conectar, comunicar e colaborar; e equipando seus clientes para que sejam ainda mais produtivos”, diz Ghini nesta entrevista exclusiva à B!T Magazine.

A seguir, saiba um pouco mais sobre as estratégias da futurista Honeywell.

B!T Magazine – A Honeywell trabalha com um consumidor mais exigente e bem informado? Ou ainda demanda bastante consultoria?

Ernesto Ghini – Existem diversos tipos de clientes no Brasil, desde os mais bem informados a respeito das soluções inovadoras, mas também aqueles que necessitam de consultoria para especificação de equipamentos e sistemas. A Honeywell possui equipe de suporte e capacitação local para atender a todos os tipos de clientes, mas o fundamental é escolher o produto que mais se adequa ao mercado brasileiro dentro da oferta global de equipamentos da empresa, buscando o melhor custo benefício.

B!T –  A empresa está expandindo a atuação internacional. Qual estratégia apoia essa expansão?

Ghini – A Honeywell tem grande foco em países emergentes, que ainda não possuem um alto potencial de crescimento. Na América Latina, temos como foco Brasil, México, Argentina, Chile e Colômbia. Em outras regiões, podemos citar o Oriente Médio como um todo, o sudeste asiático, além, obviamente, da China. A direção da empresa acredita que os países com alto potencial de crescimento serão responsáveis por grande parte do faturamento no futuro, não dependendo única e exclusivamente dos mercados norte-americano e europeu.

B!T – Quais desafios o mercado de atuação da Honeywell apresenta hoje? 

Ghini – Sem dúvida alguma, o desafio é orientar o mercado que muitas vezes a escolha correta de um sistema ou produto de qualidade pode representar um melhor retorno de investimento, mesmo que este tenha um custo inicial mais alto, em comparação com produtos de qualidade mais baixa. Muitas empresas ainda insistem em comprar um produto de menor custo inicial, que posteriormente pode incrementar o custo de manutenção, ou mesmo levando à necessidade de aquisição de outro produto para a substituição do existente.

Outro grande desafio é a carência de legislação em alguns pontos muito importantes, como a proteção contra incêndio, que mesmo depois de diversos casos com elevado número de vítimas no país ainda é um tema que não é tratado com a devida atenção pelas nossas leis. 

B!T – Qual o diferencial da Honeywell? 

Ghini – O nosso grande diferencial é exatamente oferecer uma solução completa para a automação de um empreendimento com soluções de automação, proteção contra incêndio e controle de acesso e segurança. Além dos serviços de projeto, execução e manutenção dos sistemas, oferecendo ao cliente a solução total para o projeto, sem a necessidade de buscar múltiplos fornecedores e soluções que podem não se integrar corretamente.

B!T –  As empresas aqui no Brasil estão amadurecidas o bastante para buscar soluções para a criação de prédios inteligentes?

Ghini – O mercado brasileiro é bastante evoluído, tanto os projetistas são altamente capacitados assim como as empresas de instalação e integração de sistemas são muito maduras do ponto de vista técnico. O mercado em recessão é, na verdade, uma grande oportunidade, já que edifícios inteligentes bem projetados podem levar à redução de custos de energia, bem como um melhor gerenciamento hídrico da edificação, o que abre um leque de opções para empreendimentos existentes buscarem maior eficiência.

B!T – Em um mercado que tem em curso a Transformação Digital, como a Honeywell pode contribuir para ajudar as empresas nessa migração?

Ghini – A Honeywell auxilia as empresas orientando desde a fase de projeto até a execução, mostrando a elas as mais novas tecnologias existentes no mundo e, claro, avaliando corretamente a real necessidade do cliente. Muitos clientes hoje se preocupam com a eficiência energética, e mesmo sem experiência no assunto, possuem um target em redução de consumo, com o qual a Honeywell trabalha oferecendo diferentes opções, desde um simples controle local manual até soluções de acesso remoto para monitoramento e controle de equipamentos.

B!T – A segurança tornou-se altamente estratégica neste mundo móvel, conectado e digital. Como a Honeywell contribui com seu portfólio para a proteção do negócio do cliente?

Ghini – Todos os equipamentos da Honeywell são projetados e devidamente testados para reduzir ao máximo os riscos relativos à segurança digital do cliente, focando tanto no software quanto no hardware que são utilizados em um edifício inteligente. Todos os engenheiros que trabalham no desenvolvimento desses softwares e hardwares são certificados CMMI (R) Nível 5, que é a certificação mais alta para melhoria de processos requerida pelo departamento de defesa dos Estados Unidos, o que garante aos clientes um nível superior de segurança.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor