Déficit de competência tecnológica atrasa transformação digital

CIOEmpresasGestãoNegóciosProjetosSegurança

Um levantamento da Accenture sobre fábricas digitais mostra que embora grande parcela de fabricantes já tenham implementado plataformas digitais, mais da metade (51%) não possui as competências necessárias para operar plantas digitalizadas.

O caminho da transformação digital vai bem além de implementar plataformas digitais. É uma mudança de cultura que inclui, de acordo com o diretor executivo da Accenture Strategy, Russ Rasmus, “a capacidade de criar novos processos, liderar equipes compostas de trabalhadores e máquinas e atualizar constantemente os programas de treinamento”.

O levantamento Decifrando o Código da Fábrica Digital entrevistou 450 fabricantes de 13 países e o déficit de competências tecnológicas, que se agrava a cada ano, é uma das principais preocupações das companhias num cenário em que se adota novas tecnologias móveis e analíticas. Dos fabricantes, 55% admitem falta de conhecimento tecnológico entre os colaboradores que precisam operar máquinas e equipamentos digitais avançados, como impressoras 3D ou ferramentas de modelagem e simulação de chão de fábrica. Outros 60% relatam escassez de trabalhadores com habilidades no uso de análise de manutenção preditiva com uso de dados de sensores incorporados em ambientes M2M (máquina-a-máquina, na sigla em inglês).

Conseguir reunir um quadro de funcionários com competências tecnológicas é um desafio, mas também uma oportunidade, se levarmos em consideração que 8% dos fabricantes conseguiu superar seus concorrentes, aumentando em mais de 10% a produção e a rentabilidade nos últimos três anos com estratégias eficazes para atrair e desenvolver uma nova geração de talentos.

Brasil

O cenário brasileiro mostra que 64% dos fabricantes do país já implementaram ou estão em processo de implementação de sua base digital, número bem próximo do índice global, de 70%. Entre as empresas manufatureiras do Brasil, 70% já têm ou estão em processo de implementação de tecnologias móveis, mais que o índice global, de 68%; e 67% têm ou estão em processo de implantação de tecnologias para análise de operações e monitoramento de processos (frente ao índice global de 71%). Interessante notar que 80% dessas manufatureiras nacionais já implementaram ou estão implementando tecnologias de segurança digital e gerenciamento de energia, enquanto a adoção em nível global é de apenas 64%.

Automação inteligente e controle de processos já é realidade para 43% dos fabricantes nacionais. Ainda segundo o levantamento, para as empresas brasileiras os três aspectos da manufatura digital que mais impactam seus negócios são as Tecnologias Avançadas (70%), Automação Inteligente e Controle (53%) e Segurança Digital e Gerenciamento de Energia (53%).


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor