Banda larga móvel somará 450 milhões de acessos até 2020 na América Latina

4GMobilidadeOperadorasRedesSmartphones
0 4 Sem Comentários

A estimativa é da associação global de operadoras GSMA e representa um aumento de 50% no número de usuários de internet móvel na região em relação aos cerca de 300 milhões do final de 2015.

A América Latina deve adicionar 150 milhões de novos usuários de banda larga móvel até 2020, o número representa um crescimento de 50% em relação à base de cerca de 300 milhões de usuários de internet móvel da região em 2015. Esse crescimento, obviamente, vem impulsionado pela adoção exponencial de smartphones no mercado latino-americano, que devem somar um total de 400 milhões de unidades na região até 2020 – uma adição de cerca de 262 milhões de aparelhos em relação à base de 2015. Os dados são da associação global de operadoras móveis GSMA.

O aumento no número de usuários e da penetração de smartphones na América Latina também deve impulsionar a cobertura da tecnologia 4G, que deve passar dos atuais 60% da população da região coberta para 80%. E a base de acessos móveis somando todas as tecnologias deve passar dos 414 milhões no final de 2015 para 524 milhões até 2020, um crescimento inferior apenas ao da África Subsaariana.

A GSMA nota que o aumento da penetração da banda larga móvel tem o poder de estimular o crescimento econômico, a inovação e a inclusão digital. Pelos cálculos da associação, o uso de tecnologias e serviços móveis em toda a América Latina e Caribe gerou US$ 255 bilhões em valor econômico, o equivalente a 5% do PIB da região. Para 2020, a expectativa é de que esse volume ultrapasse os US$ 315 bilhões, o equivalente a 5,5% do PIB esperado para a América Latina em quatro anos. Foram cerca de 1,9 milhão de empregos gerados pela indústria móvel em 2015, contribuindo com US$ 40 bilhões para o setor público em impostos e taxas – excluindo receitas de leilões de espectro, estimadas em US$ 450 milhões em 2015. O investimento total das operadoras móveis da região será de mais de US$ 76 bilhões em Capex entre 2016 e 2020.

Para a GSMA, o aporte socioeconômico da indústria móvel na América Latina estimula o círculo virtuoso que reduz a pobreza, melhora a infraestrutura e os serviços, mas ressalva que para continuar com esse crescimento, “a indústria móvel e os governos devem trabalhar em conjunto para derrubar as barreiras que representam um obstáculo à inclusão digital nas áreas de cobertura de rede, acessibilidade, competências digitais e disponibilidade de conteúdo local relevante” e que é preciso que haja “modernização dos marcos regulatórios existentes para facilitar o crescimento dos serviços móveis futuros, promover o investimento da indústria e maximizar as oportunidades futuras a serem geradas pelo ecossistema digital em benefício das economias latino-americanas”.

O estudo completo da GSMA pode ser acessado neste link.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor