Mercado de relógios inteligentes cresce 3,9% em 2016

InovaçãoVestíveis
0 1 Sem Comentários

Uma semana depois do lançamento do Apple Watch S2, a IDC atualizou suas previsões para o mercado em 2016: o crescimento será modesto esse ano.

De acordo com a pesquisa, serão comprados 20,1 milhões de relógios inteligentes em 2016, o que representa um crescimento de 3,9% em comparação com o ano passado. A IDC justifica o parco crescimento com o lançamento tardio de novidades e a pequena evolução verificada nos produtos.

O estudo categoriza os relógios inteligentes como aqueles que conseguem correr aplicativos de terceiros. É o caso do Apple Watch, Samsung Gear S3, Motorola Moto 360 e Pebble Watch.

“Até à data, os relógios inteligentes permaneceram no nicho dos fãs de marcas e conhecedores de tecnologia, mas esperamos que isso mude nos próximos anos”, comenta o analista Ramon Llamas, que lidera a equipe de vestíveis da IDC. “Primeiro, os smartwatches irão parecer e sentir como relógios tradicionais, apelando a quem valoriza design e estilo. Em seguida, quando os relógios inteligentes ganharem conectividade celular, irão se desconectar do smartphone e se tornarão mais úteis”, prevê.

O terceiro passo está nos aplicativos desenhados em cima dessa capacidade celular: se ligarão a outros dispositivos dentro de casa e no trabalho. “Finalmente, os preços dos relógios inteligentes irão cair, tornando-os mais acessíveis para um mercado maior.”

Ryan Reith, vice-presidente de programa do Mobile Device Trackers da IDC, acrescenta que os consumidores não estão dispostos a lidar com problemas técnicos associados a muitos vestíveis. “Queixas sobre a duração da bateria, dependência do smartphone e utilização minimal têm sido analisados em pesquisas e publicações”, refere. Muitos fabricantes estão trabalhando para diminuir esses problemas, mas ao mesmo tempo o aumento de dispositivos que são mais uma afirmação de moda que um utilitário tecnológico irá impulsionar o crescimento – tanto nos relógios inteligentes como nos básicos.

A IDC analisa os smartwatches dentro da categoria de Vestíveis, que também inclui óculos inteligentes e pulseiras. O volume total desses dispositivos irá atingir 21,5 milhões de unidades em 2016.

Apple na frente

Em termos de plataformas, os relógios com sistema operacional watchOS, da Apple, vão se manter no topo. A IDC ressalta as melhorias no Apple Watch Series 2, mas indica que a baixa de preço no Watch original irá impulsionar o volume de vendas no Natal.

Todavia, é no Android e Android Wear que se registrará o maior crescimento, tomando de assalto a liderança da Apple em 2020. O Tizen, da Samsung, se manterá em terceiro, enquanto a categoria Real-Time Operating System (RTOS) vem depois. Essa inclui sistemas proprietários, como os relógios da Garmin.

Por fim, sistemas como Linux e Pebble OS deverão sofrer um declínio, pressionados pelos líderes do mercado.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor