Futurecom 2016: Novo Plano de Banda Larga deve ser na verdade uma espécie de agenda digital

InovaçãoRegulação
0 0 Sem Comentários

De acordo com o secretário de Telecomunicações André Borges, novo plano nacional de banda larga em análise no Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações (MCTIC), a ideia é que o novo plano englobe o projeto Brasil Inteligente, o plano de IoT e outros programas de governo para a conectividade.

O secretário de Telecomunicações André Borges, do Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações (MCTIC) deu mais detalhes nesta quarta-feira,19, sobre o que será o novo plano nacional de banda larga, resultante de uma revisão do plano preparado pela gestão do governo anterior. “Começamos a revisão desse plano em julho e a previsão é que tenhamos isso desenhado ainda em novembro”, conta Borges. O secretário revelou em conversa com a BITmag que o novo plano, na verdade, englobe o projeto Brasil Inteligente, o plano de Internet das Coisas (IoT) e outros programas de governo para a conectividade. “É uma agenda para o Brasil, um plano de gestão de conectividade”, diz.

O que o ministério está fazendo no momento é levantar que áreas são economicamente viáveis para que a iniciativa privada chegue naturalmente com infraestrutura de banda larga e em que cidades será necessária a atuação do governo com incentivos e financiamentos públicos. “E aí vamos saber qual o investimento total necessário do governo, quanto temos em caixa contando com recursos dos fundos setoriais, dos Termos de Ajustamento de Conduta (TACs) e recursos da troca das outorgas (de concessões por autorizações), uma vez que passe o projeto de lei. Aí veremos como faremos a alocação desses recursos”, detalha.

Pouco antes, durante painel na Futurecom 2016, Borges reforçou que para garantir a liberação de recursos do Fust, o novo plano trará “projetos com finalidade plenamente identificados”.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor