Infraestrutura de TI na nuvem cresce 14,5% no segundo trimestre

Cloud
0 16 Sem Comentários

As receitas do mercado de infraestruturas de TI na nuvem cresceram 14,5% no segundo trimestre, atingindo US$7,7 bilhões. São dados do mais recente relatório da IDC.

A pesquisa inclui receitas de vendas de servidores, armazenamento e switch Ethernet para nuvem pública e privada. É um crescimento sólido, especialmente se considerarmos que a consultora espera uma subida renovada na segunda metade do ano.

Interessante também perceber que a fatia das vendas de infraestrutura de TI na nuvem (por oposição a TI tradicional) cresceu para 34,9%, contra os 30,6% de há um ano. Já o TI tradicional caiu 6,1%, uma tendência continuada. A nuvem pública é mais popular, com um total de US$4,6 bilhões e uma subida de 14,9%; já a nuvem privada progrediu 14% para US$3,1 bilhões.

A Hewlett-Packard Enterprise (HP) voltou a liderar o mercado, com 16,4% de quota e um crescimento de 14,4% em relação ao mesmo trimestre do ano passado. A Dell aparece em segundo, com 13,1%, mas um crescimento bem maior que a líder – 48,2%. Seguem-se Cisco (11%), EMC (7%) e Lenovo (3,3%), NetApp (3,3%), IBM (3%), Huawei (2,9%) e Inspur (2,5%).

“Como esperado, as implantações de hiperescala abrandaram no segundo trimestre. Mas as implantações de pequenos e médios provedores de serviços na nuvem mostraram forte crescimento, tal como desenho de nuvens privadas”, explica Kuba Stolarski, diretor de pesquisa para plataformas computacionais da IDC.

“No geral, o segundo trimestre não teve a mesma dificuldade de comparação com o ano anterior que o primeiro trimestre, e isso ajudou a melhorar resultados.”

Na segunda metade de 2016, a IDC espera verem fortalecimento do crescimento da nuvem pública.

Do ponto de vista regional, as receitas de provedores cresceram mais rapidamente na região LATAM, com subida de 44%. Segue-se a Europa Ocidental, com 41,2%, Japão com 35,4%, Canadá com 21,8%, Europa de Leste e Central com 21%, Oriente Médio e África com 16,8% e Ásia Pacífico com 15,8%. Os Estados Unidos ficaram em último, com 6,7%.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor