Web Summit | Coca-Cola e Ebay planejam o futuro

Big DataData StorageEmpresasInovaçãoNegócios
0 0 Sem Comentários

Num palco, o CTO da Coca-Cola, Alan Boehme e no outro David Doctorow, responsável de crescimento global do Ebay. Em ressaca das eleições norte-americanas, como Doctorow lhe chamou, esta manhã, falou-se do passado, do futuro e, principalmente ,da reinvenção das duas empresas.

Alan Boehme entrou em palco com 10 minutos de atraso, os participantes começavam já a comentar algumas diferenças entre a realização da Web Summit em Portugal e as últimas edições na Irlanda, entre elas o atraso e o cancelamento de algumas palestras agendadas.

A do CTO da Coca-Cola iria ser sobre a mudança no mundo digital e a supremacia dos celulares. Acabou por se tornar em 15 minutos de talk sobre a forma como a Coca-Cola evolui ao longo dos anos, acompanhando a tecnologia e como a forma de  publicitar foi, também, alterada.

“Os modelos de negócio mudaram, assim como a forma de fazer publicidade. É imperativo que haja cooperação com outras empresas” disse o CTO.

Durante a sua talk,  Boehme explicou porque é que a empresa “faz diferente”. Em 1899, quando foi criada a garrafa de vidro, as especificidades que pediram ao criador foram duas: a garrafa mesmo partida ou no escuro tem de ser reconhecida como uma Coca-Cola.

De inovação na publicidade,  foi dado o exemplo do Polar Bowl, um livestream que acontece durante a realização do Super Bowl em que dois ursos reagem ao jogo como se fossem pessoas e de um anúncio televisivo que, usando ondas sonoras, lia os celulares que tinham instalado o aplicativo Taxy Go e que recebiam passado alguns minutos Coca-Colas. Boehme deixou o recado; “a imaginação é o que torna as ideias em sucesso”.

Em outro palco, Davis Doctorow do ebay, falou da forma que a empresa usa para conseguir se ligar cada vez mais aos clientes.  Isso “numa época em que as pessoas limpam cada vez mais os cookies, fazem comprar em lojas diferentes e não querem ser encontradas,” disse.

“É difícil quando não conhecemos o cliente e temos de saber como reagir, de que é que eles estão à procura e quando é que estão à procura. Se o John carrega num anúncio de peças de carros eu fico a saber que ele é alguém que gosta de ser ele a fazer o conserto, então a partir daí é esse tipo de anúncios que ele vai receber.” Davis acredita e é dessa forma que o Ebay trabalha: conhecer o cliente offline para lhe oferecer a melhor experiência online.

Então o problema é ter informação sobre os novos clientes, porque esses esperam que a resposta seja rápida, mesmo quando é a primeira vez que entram num site. Se escrever celular, o Ebay tem de saber se procuram o último iPhone ou um smartphone de gama média.

“O novo marketing é para lá do Big Data, temos de usar as pistas que os clientes nos dão, nem que seja um só clique para responder a todas as perguntas que possam ter.”