PSafe estima crescimento de 57% nos ataques cibernéticos em 2017

Segurança

A PSafe realizou um levantamento que indica que os ataques de links e páginas maliciosas (phishing) e os malwares que visam roubar dados bancários vão ser as grandes ameaças de 2017. Segundo o estudo, a previsão é de aumento de 90% e 30%, respectivamente, no próximo ano.

Outras das ameaças a ter em conta serão os ransomwares, em que é previsto um aumento de 12%, e os ataques de DDoS (negação de serviço).

“As ameaças do tipo Phishing devem aumentar significativamente graças à facilidade do hacker em disseminar o crime via serviços de mensagens. Trata-se de uma modalidade que serve de porta de entrada para hackers iniciantes conseguirem retorno financeiro rapidamente” diz Emilio Simone, gerente de segurança da PSafe.

A empresa de segurança recomenda, também, especial atenção com a Internet das Coisas (IoT) já que existe uma tendência para que os hackers utilizem cada vez mais os dispositivos conectados em seus ataques, em virtude da ausência de proteção devido à limitação de hardware (parte física).

A alteração das senhas padrões de todos os objetos e utilização palavras-chave fortes (com 10 dígitos, misturando letras maiúsculas, minúsculas, símbolos especiais e números) em todos os dispositivos, são algumas das formas de proteção que o usuário deve adotar.

Relativamente ao phishing, o usuário deve evitar clicar em links desconhecidos enviados via SMS, e-mail ou WhatsApp e desconfiar de promoções muito rentáveis. Além disso, nunca se deve instalar um aplicativo fora de lojas oficiais e, mesmo em lojas conhecidas, deve ser analisado com cuidado a quantidade de instalações e os comentários. 

O usuário deve, também, ter um antivírus instalado no celular pois ele funcionará como uma barreira de segurança para garantir a privacidade dos seus arquivos e dados.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor