Publicidade em redes sociais atingirá US$ 50 bilhões em 2019

e-MarketingPublicidadeRedes Sociais

O volume de investimento em publicidade nas mídias sociais irá atingir os US$ 50 bilhões em 2019, segundo previsões divulgadas hoje pela Zenith Optimedia, uma agência publicitária detida pela francesa Publicis.

De acordo com o relatório, citado pela Reuters, os gastos de anunciantes em redes sociais vão representar 20% de todo o investimento publicidade na internet dentro de apenas dois anos. Isso significa que o segmento será praticamente equivalente à publicidade em jornais (apenas um ponto percentual abaixo). A Zenith Optimedia espera mesmo que as redes sociais como destino para anunciantes ultrapasse os jornais em 2020.

“As redes sociais e o vídeo online estão impulsionando o crescimento contínuo nos investimentos publicitários globais, apesar das ameaças políticas à economia”, afirmou Jonathan Barnard, diretor de previsões da Zenith.

Em 2017, a agência prevê que os investimentos globais em publicidade cresçam 4,4%, o mesmo ritmo de subida que em 2016. Isso é considerado especialmente importante tendo em conta que este ano houve vários eventos importantes impulsionando os anúncios – desde o Rio 2016 ao referendo que deu origem ao Brexit e à eleição presidencial nos Estados Unidos.

No caso do vídeo online, que também está crescendo muito, o total será de US$ 35,4 bilhões em 2019, já acima do investimento em rádio.

O relatório da Zenith mostra que o investimento publicitário se manteve estável nos últimos seis anos, apesar de o crescimento ter declinado no Oriente Médio e Norte de África.

As principais redes sociais beneficiando dessa atenção dos anunciantes são o Facebook e o Snapchat. Já o Twitter, cuja base de utilizadores estagnou, tem apresentado dificuldades em conseguir lucros e crescer seu negócio de publicidade.

Já para os mídia, a mudança da forma como os leitores consomem notícias afetou sua capacidade de negociar com anunciantes. As rede sociais são, atualmente, plataformas que misturam entretenimento com consumo de notícias, o que as torna não apetecíveis.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor