União Europeia autoriza Microsoft a comprar LinkedIn

e-MarketingEmpresasNegóciosRedes SociaisRegulação

Depois de seis meses em negociações, a União Europeia autorizou a aquisição do LinkedIn pela Microsoft. O negócio avaliado em US$ 26 bilhões teve luz verde da Comissão Europeia.

Apesar do negócio ter sido aprovado pela entidade europeia, existem algumas condições às quais a Microsoft está sujeita. Essas condições foram impostas para que a concorrência saudável seja assegurada e mantida, no que diz respeito ao mercado das plataformas digitais para profissionais.

O comunicado da Comissão Europeia avançou algumas das negociações para que o negócio fosse autorizado. A Microsoft prometeu que, caso crie um aplicativo de desktop para o LinkedIn, não vai fechar acordos com fabricantes de computadores para que estes venham com o app pré-instalado. Essa medida garante à Comissão que as outras redes sociais não são prejudicadas. Para além desta medida, a Microsoft também garantiu que caso o aplicativo seja desenvolvido, os fabricantes de computadores na União Europeia podem optar por não incluir a mesma nas versões do Windows.

Depois das condições impostas pela Comissão Europeia terem sido aceites, a Microsoft está autorizada a realizar a maior aquisição alguma vez feita. O diretor jurídico da Microsoft, Brad Smith, afirmou que “tivemos todas as aprovações regulamentares necessárias e o negócio deve ser fechado nos próximos dias.” Smith acrescentou que “podemos unir as duas grandes empresas e nos focar em questões maiores para o futuro.”

A concretização do negócio, segundo avançou a Comissão Europeia, está condicionada ao cumprimento de todos os compromissos acordados por um período de cinco anos.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor