Ataques com malware oculto estão ocorrendo “em grande escala”

CyberwarGestãoSegurança

No final de 2016, especialistas da Kaspersky Lab foram contatados por bancos na Comissão Especial de Inquérito (CEI), que encontraram o software de testes de penetração Meterpreter, atualmente muito usado com fins mal-intencionados, na memória de seus servidores quando não deveria estar lá.

A Kaspersky Lab descobriu que o código do Meterpreter foi associado a diversos scripts legítimos do PowerShell e outros utilitários. As ferramentas combinadas foram adaptadas em um malware que fica oculto na memória, coletando as senhas dos administradores do sistema de maneira invisível para que os criminosos pudessem controlar os sistemas da vítima remotamente. O objetivo final seria obter acesso a processos financeiros.

A empresa de segurança afirma que, desde então, descobriu que “esses ataques estão ocorrendo em grande escala”, atingindo mais de 140 redes corporativas em diversos setores de negócios. A maior parte das vítimas se encontra nos EUA, na França, Equador, Quênia, Reino Unido e Rússia, mas o Brasil está entre os 10 países afetados. No total, foram registradas infecções em 40 países.

Não se sabe quem está por trás dos ataques. O abuso de  de software livre e utilitários comuns do Windows, além de domínios desconhecidos torna praticamente impossível determinar o grupo responsável – ou mesmo se é um único grupo ou vários grupos que compartilham as mesmas ferramentas.  Os grupos conhecidos que utilizam as abordagens mais parecidas com essas são o GCMAN e o Carbanak.

Essas ferramentas também dificultam a descoberta de informações do ataque. No processo normal de resposta a incidentes, o investigador segue os rastros e as amostras deixados na rede pelos invasores. Embora os dados no disco rígido possam continuar disponíveis  após o evento, os artefatos ocultos na memória são eliminados na primeira reinicialização do computador. Felizmente, nesse caso, os especialistas conseguiram acessá-los a tempo.

“A determinação dos criminosos de esconder suas atividades e tornar a detecção e a resposta a incidentes cada vez mais difícil explica a recente vertente das técnicas antiperícia do malware baseado na memória”, explica Sergey Golovanov, pesquisador-chefe de segurança da Kaspersky Lab.

“Por isso, a perícia da memória tem se tornado essencial para a análise de malware e de suas funções. Nesses incidentes específicos, os invasores usaram todas as técnicas antiperícia imagináveis, demonstrando como os arquivos de malware não são necessários para a extração bem-sucedida de dados de uma rede e como o uso de utilitários legítimos e de software livre torna a atribuição praticamente impossível”, revela.

Os invasores ainda estão ativos; por isso, é importante lembrar que a detecção desses ataques só é possível na RAM, na rede e no Registro. E que, nesses casos, o uso das regras Yara, baseadas na verificação de arquivos maliciosos, não tem qualquer utilidade.

Os detalhes da segunda parte da operação, que mostram como os invasores implementaram técnicas únicas para sacar dinheiro de caixas eletrônicos, serão apresentados por Sergey Golovanov e Igor Soumenkov no Global Security Analyst Summit, que acontecerá de 2 a 6 de abril de 2017.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor