Gartner aponta detecção e resposta como prioridades de segurança para as empresas em 2017

Segurança

O Gartner referiu que suas previsões para esse ano são de que as empresas vão gastar, a nível mundial, US$ 90 bilhões com segurança da informação. O instituto indica, ainda, que o mercado corporativo está mudando o foco de suas estratégias de apenas prevenção para detecção e resposta.

“A mudança de foco para detecção e resposta engloba pessoas, processos e elementos de tecnologia e irá nortear grande parte do crescimento do mercado de segurança nos próximos cinco anos. Embora isso não signifique que a prevenção perdeu a importância ou que os CISOs (Chief Information Security Officers) estão desistindo de se prevenir contra os incidentes de segurança, essa é uma mensagem clara de que a prevenção é inútil se não for atrelada a um recurso de detecção e resposta”, diz Sid Deshpande, Analista de Pesquisas do Gartner.

O analista refere também que os recursos técnicos das equipes de TI não são muitas vezes os mais apropriados, o que está levando as companhias a buscarem ajuda externa de consultores, provedores de serviços gerenciados de segurança (MSSPs) e terceirizados.

A necessidade de detectar e responder melhor aos incidentes de segurança também criou novos segmentos de produtos, como deception, detecção e resposta de endpoints, segmentação definida por software, Cloud access security brokers e Analytics de comportamento de usuários e entidades. Ora isso implica mais gastos na área de segurança da informação mas a verdade é que os CISOs também estão alterando a forma como avaliam o sucesso de suas estratégias de segurança. Isso  confere uma maior facilidade em conseguir os fundos necessários junto dos CFOs e CEOs das empresas.

“Os CISOs são rápidos em comunicar o retorno sobre o investimento das suas estratégias de segurança em termos de valor para a empresa associado à rápida limitação dos danos, além da prevenção e bloqueio de ameaças”, explica Lawrence Pingree, Diretor de Pesquisas do Gartner.

Assim, as previsões são de que os gastos mundiais com segurança devem sofrer um aumento de 7,6% com relação a 2016 e atingir US$ 113 bilhões até 2020.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor