MWC | Conexões 4G na América Latina cresceram 121% em 2016

4GMobilidadeOperadorasRedes
0 1 Sem Comentários

O número de conexões 4G na América Latina atingiu 113 milhões no final de 2016, correspondendo a um aumento de 121%, de acordo com os dados da GSMA Intelligence divulgados durante o Mobile World Congress (MWC).

As conexões 4G na América Latina, que representam 17% do total de conexões, tiveram um aumento significativo (em 2015 eram 51 milhões) em virtude do investimento contínuo em redes e serviços 4G por operadoras móveis na região diz a associação que organiza o MWC.

As previsões apontam para que esse número ultrapasse os 300 milhões até o final da década, representando, nessa altura, quase 40 por cento do total de conexões na região. Segundo a GSMA Intelligence, as redes 4G já cobrem atualmente 68% da população latinoamericana, e devem cobrir 83% da população da região até 2020.

“O forte investimento das operadoras móveis na América Latina está impulsionando a migração para redes de alta velocidade, mas uma urgente modernização regulatória é necessária para fomentar o desenvolvimento do ecossistema digital regional e promover a inovação e investimento”, disse Sebastian Cabello, diretor da GSMA para América Latina.

“Em face de uma economia digital em rápida evolução, os quadros regulatórios de telecomunicações de muitos países permanecem ancorados no passado. O futuro requer uma abordagem mais flexível e tecnologicamente agnóstica da regulação, descartando regras que já não refletem a dinâmica da indústria. A GSMA recomenda que os governos promovam maior qualidade de serviço e inovação por meio da competição – mais que perpetuar regras e obrigações desatualizadas “, acrescentou Cabello.

Os dados mostram que são 97 as operadoras móveis de lançaram serviços 4G em 39 países da América Latina e que o crescimento dessa tecnologia está relacionado à crescente utilização de smartphones. Os smartphones representaram 55% do total de conexões móveis na região no final de 2016.

Em 2020, está previsto começar o lançamento das redes 5G na América Latina que permitirá novos cenários de uso, tais como IoT (Internet das Coisas) maciça e comunicações críticas, além de novas aplicações ligadas à banda larga móvel avançada.

De acordo com a GSMA Intelligence, existiram 25 milhões de conexões M2M na região até ao final de 2016, que devem atingir 53 milhões em 2020.

Em relação à indústria do dinheiro móvel na América Latina e Caribe (LAC), os dados da associação de operadoras, referem o rápido crescimento desde a sua criação em 2011, quando o primeiro serviço foi lançado. Atualmente, a região conta com 32 serviços ativos em 17 mercados.

75% dos serviços de dinheiro móvel da LAC já estão oferecendo serviço por meio de um aplicativo de smartphone, além disso, os padrões de uso sugerem que o dinheiro móvel está mais integrado à infraestrutura de pagamentos do que em outras partes do mundo.  Os pagamentos comerciais representam 57% das transações (a média global é de 5%) e os pagamentos no atacado representam quase 7% das transações (a média global é de pouco mais de 2%).

“Ainda há um grande mercado inexplorado para dinheiro móvel na região da América Latina e Caribe – o dinheiro móvel ainda está nascendo na maioria dos mercados”, comentou o executivo da GSMA. “Regulamentação, acesso à infraestrutura bancária e parcerias público-privadas serão essenciais para impulsionar a adoção futura de serviços de dinheiro móvel.”

 


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor