Cisco alerta para aumento de ataques virtuais em datas comemorativas

CyberwarSegurançaVírus

Segundo o Relatório Anual de Cibersegurança Cisco 2017, que analisa a segurança digital das empresas ao longo do ano, as datas comemorativas são alturas de aumento de frequência de ciberataques. A verdade é que aproximadamente um terço das companhias com falhas na segurança registraram perdas de mais de 20% relacionadas a clientes, oportunidades e receita.

Segundo a empresa especializada em segurança, os ataques realizados mais comuns são por meio de spam de e-mail, com cerca de 65% do volume total de e-mails, e malware, em 8% a 10% dos casos verificados.

“Períodos de grande movimento no varejo como o Dia das Mães são oportunos para campanhas de phishing – fraude eletrônica que permite a instalação de códigos maliciosos nos dispositivos, resultando em sequestro e roubo de arquivos – e malvertising – anúncios mal-intencionados que injetam códigos maliciosos no computador”, afirma Fernando Zamai, Consultor de Segurança da Cisco Brasil.

O relatório concluiu que 22% das empresas violadas perderam clientes e que 29% tiveram redução na receita, com 38% desse grupo diminuindo seus ganhos em mais de 20%. Por outro lado, 23% das organizações invadidas perderam oportunidades de negócio, com 42% delas relatando queda de mais de 20%. A Cisco também revela que, para todo este ano, é esperado um pico de 270% em crimes virtuais.

“É importante que o consumidor final invista em soluções para pacote residencial que permitam, de forma simples e rápida, barrar campanhas de phishing desse tipo, com soluções de proteção, além de anti-spam e e-mail security. Bastam alguns segundos para que uma invasão ou um simples código malicioso roube ou sequestre informações importantes como senhas e fotos, gerando perdas muitas vezes incalculáveis”, refere o consultor.

“Quando o usuário não possui uma solução competente para esse tipo de bloqueio ou altamente inovadora para monitorar de forma preventiva esses ataques – na análise de suspeitas – as invasões são identificadas somente tempos depois, quando o prejuízo já se concretizou”, alerta  Zamai.

De acordo com os dados do Relatório Anual de Segurança da Cisco, 68% dos profissionais de segurança entrevistados revelaram que suas empresas não monitoram ameaças através do vetor DNS.

“A simples análise das requisições recursivas DNS permite identificar e bloquear a atividade do malware sem muito esforço”, finaliza o especialista.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor