Veeam cresce 115% em receita do Brasil no primeiro trimestre de 2017

CloudGestãoResultados

A Veeam Software, provedora de soluções de disponibilidade para a empresa always-on, registrou um crescimento de 33% em sua receita total a nível global, alavancado nos ganhos realizados com grande empresas e provedores de serviços de nuvem.

A receita de novas licenças Enterprise cresceu 17% em comparação com o ano anterior e a receita de nuvem proveniente do Programa Veeam Cloud & Service Provider (VCSP) cresceu 59% ano a ano.

“Não é pouca coisa para uma empresa com mais de US$ 600 milhões em receita anual entregar um crescimento de 33% ano a ano, e estou muito orgulhoso de toda a nossa equipe”, disse Peter McKay, Presidente e Diretor de Operações da Veeam.

“Olhando para frente, esperamos um crescimento continuado para o restante deste ano, alavancado por novos lançamentos de produtos, ofertas conjuntas de produtos com nossos parceiros de Alianças, mais ganhos do setor Enterprise e soluções de nuvem”, acrescentou o executivo.

No Q1 de 2017, as soluções de Recuperação de Desastres como um Serviço (DRaaS) e Backup como um Serviço (BaaS), registraram um crescimento ano a ano de 59% na receita. A nível de clientes, a empresa adicionou quase 12 mil clientes pagos no total no período, mantendo o ritmo com a média histórica de aproximadamente 4 mil novos clientes por mês.

“Globalmente, organizações reconhecem que precisam de Disponibilidade 24.7.365 que somente a Veeam oferece. Nós continuamos a expandir mundialmente nossas equipes de vendas para Enterprise para atender a essa demanda, especialmente na América do Norte, Europa, Oriente Médio e África”, afirmou McKay. “Essas adições suportarão as iniciativas estratégicas de transformação digital de nossos clientes e parceiros.”

No Brasil, a companhia reportou um aumento anual de 115% na receita, fruto da estratégica com foco em grandes empresas no país. Presente no mercado brasileiro desde 2012, a Veeam possui clientes como SuperVia, Centro Universitário FEI, Termomecanica, ESPM e Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP).


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor