Dados de usuários da Apple são vendidos ilegalmente na China

CyberwarSegurança

A polícia chinesa prendeu 22 pessoas suspeitas de vender ilegalmente dados pessoais de um número desconhecido de usuários da Apple. Ainda de acordo com a polícia local, só na província de Zhejiang, os criminosos teriam coletado US$ 7,3 milhões com o esquema.

Dentre os dados negociados estão nomes, números de ID Apple, e números dos telefones dos clientes da empresa. Ainda não se sabe se informações como senhas e cartões de crédito também estão na lista.

Agentes da lei chineses disseram que não há ainda informações sobre a extensão da brecha, mas que os dados teriam sido conseguidos ilegalmente por funcionários contratados pela empresa ou de companhias parceiras revendedoras de produtos da gigante de Cupertino. Na China, os produtos são vendidos em quiosques de shoppings e grandes lojas de eletrônicos.

As prisões e o esquema são apenas mais um fator dos problemas enfrentados pela empresa no país, que recentemente também sofreu com bloqueios por parte do governo local, que encerrou seus serviços de livros e filmes.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor