McAfee firma parceria com Scunna e oferece soluções de segurança como serviço

EmpresasGestãoNegóciosSegurança

A McAfee firmou uma parceria com a Scunna, fornecedora de soluções de segurança e performance de TI com sede em Porto Alegre, para oferecer aos clientes produtos da McAfee inseridos em soluções de segurança como serviço.

As duas empresas já são parceiras há quase 20 anos e agora a Scunna passa a fazer parte do programa Managed Service Provider (MSP), que permite ofertar produtos da McAfee como serviço, encapsulados em soluções personalizadas. Ao unir os produtos aos serviços de valor agregado, a Scunna fica responsável por instalar, monitorar e prestar suporte remotamente aos clientes, enquanto mantém o controle sobre a marca, licenciamento, garantia e preço dos produtos.

“A nova parceria traz diversos benefícios para os clientes da Scunna, incluindo a proximidade geográfica, o amplo conhecimento sobre as ofertas, serviços de qualidade na instalação e suporte, além de maior facilidade no pagamento e aquisição das soluções”, explica Marcio Kanamaru, diretor-geral da McAfee.

Gustavo Pauletti Gonçalves, diretor comercial da Scunna, comenta que a empresa já comercializava alguns produtos da McAfee como serviço, especialmente soluções de endpoint voltadas para pequenas e médias empresas. “Agora a nossa oferta será mais abrangente e madura, direcionada para a resposta aos incidentes”, diz. Com novo modelo MSP, a Scunna passa a oferecer soluções mais complexas e sofisticadas com produtos como o Endpoint Detection Response (EDR), gerenciamento de eventos e informações de segurança (SIEM), McAfee Threat Intelligence Exchange (TIE), entre outros.

Para Gonçalves, o maior benefício é a flexibilidade na forma de contratação, já que o cliente pode aumentar ou diminuir o número de licenças de um mês para outro, de acordo com a necessidade. “No caso de um e-commerce, por exemplo, que precisa de maior suporte de segurança em datas comemorativas, é possível criar um pacote que atenda às necessidades específicas para essas datas. Além disso, com o modelo pay-per-use, o cliente só começa a pagar quando o serviço já está ativado e em uso”.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor