Mercado de celulares cresce 25,4% no primeiro trimestre de 2017

MobilidadeSmartphones

O mercado de celulares no Brasil registrou crescimento de 25,4% no primeiro trimestre deste ano, em comparação com o mesmo período em 2016. No total, 12,4 milhões de celulares foram vendidos entre janeiro e março, de acordo com pesquisa realizada pela IDC.

Em receita, os smartphones movimentaram R$ 13,3 bilhões, ou 22,6% a mais do que no primeiro trimestre do ano passado, quando os aparelhos geraram R$ 10,9 bilhões de receita. Já os feature phones responderam por R$ 108,7 milhões  no primeiro trimestre de 2017, ante R$ 139,4 milhões no mesmo período de 2016 – baixa de 22%.

Na opinião de Leonardo Munin, analista de pesquisa do mercado de celulares da IDC para América Latina, o período apresentou sinais de recuperação. Para ele, “o pior momento do mercado de celulares no Brasil, vivido no início de 2016, foi superado”, comenta. Dos últimos dez meses, nove registraram aumento nas vendas.

Ainda de acordo com o especialista, no ano passado, o dólar em alta, as alterações na MP do Bem e as incertezas político-econômicas do País, que resultaram em estratégias mais conservadoras por parte dos fabricantes, fizeram com que o setor apresentasse a queda.

Já no primeiro trimestre deste ano, além da estabilização da moeda norte-americana, o que mais influenciou o crescimento nas vendas foram os lançamentos de marcas importantes por preços similares às versões anteriores e o resgate das contas inativas do FGTS.

O tíquete médio dos smartphones passou de R$ 1.179, no primeiro trimestre de 2016, para R$ 1.142 no mesmo período deste ano. “A venda de aparelhos com preço acima de R$ 1,3 mil foi a que mais cresceu entre janeiro e março, passando de 18,8%, em 2016, para 25,5%, em 2017. Pela primeira vez essa faixa de preço ficou atrás apenas dos celulares com preços entre R$ 700 a R$ 999, que representaram 49% do mercado”, ressalta Munin.

Para 2017, a IDC Brasil prevê aumento de 7,2% no mercado total de celulares. “Devemos ter 47 milhões de smartphones vendidos e 4,2 milhões de feature phones até o fim de 2017. As fabricantes estão com estratégias bem competitivas, o que fomenta as vendas. Além disso, temos uma base de 121 milhões de smartphones no Brasil e o número de aparelhos antigos é grande. Isso pode fazer com que os usuários busquem modelos mais novos e, consequentemente, impulsione as vendas”, finaliza Munin.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor