Wal-Mart busca fornecedores estrangeiros para enfrentar a Amazon

E-commercee-MarketingMercado

A varejista Walmart.com está recrutando fornecedores na China e outros países para impulsionar suas ofertas online. O movimento vai contra a campanha do grupo Wal-Mart em privilegiar produtos fabricados nos EUA, já que nem toda mercadoria desejada pelos clientes é fabricada naquele país.

A empresa também corre o risco de se indispor com alguns atuais fornecedores nos EUA, uma vez que a política vai contra a promessa feita pela varejista em 2013 de vender produtos fabricados no país, em uma tentativa de conquistar clientes e satisfazer os sindicatos e outros críticos, que disseram que sua buscas por bens de baixo valor estava prejudicando os empregos dos norte-americanos.

De acordo com fontes com conhecimento do assunto, a Wal-Mart Stores, em fevereiro, começou a convidar vendedores da China, Reino Unido e Canadá a listar produtos na seção marketplace do Walmart.com, onde ganha uma parte da receita dos bens vendidos e entregues aos clientes por fornecedores terceirizados. Anteriormente, a empresa somente permitia vendedores baseados nos EUA na plataforma.

Segundo o vice-presidente para serviços parceiros do Wal-Mart, Michael Trembley, o movimento do Wal-Mart está focado em atender a demanda dos clientes por diferentes tipos de produtos e aumentar a variedade online. O Wal-Mart quintuplicou a sua lista de produtos a venda online para 50 milhões de itens. O número contrasta com os quase 300 milhões de produtos oferecidos pela Amazon.com, disseram analistas.

*Com informações da Reuters.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor