Novo firewall A10 Networks ajuda na adoção do 5G e multiplicação de IoT

FirewallRedesSegurança

A A10 Networks expande sua linha de firewall Gi/SGi carrier-class com o novo A10 Thunder CFW. A empresa traz, também, ao Brasil o software vThunder CFW para implementações de NFV (Virtualização das Funções da Rede).

O novo firewall é a resposta às demandas de segurança de operadoras focadas na transição da indústria para o 5G, a implantação em grande escala de NFV e SDN (Rede Definida por Software) e a proliferação de dispositivos da Internet das coisas (IoT). Além disso pode ajudar as empresas a se proteger contra ataques de negação de serviços (DDoS).

“O A10 Thunder CFW permite aos provedores de serviços proteger e estender sua infraestrutura para atender às necessidades de mobilidade dos assinantes à medida que o 5G e a Internet das Coisas se tornam tendências proeminentes”, indica Raj Jalan, CTO da A10 Networks.

Segundo a A10, o Thunder CFW permite agilizar e simplificar, consolidando segurança de redes e aplicações em uma única solução de alto desempenho. Com a solução se torna factível obter taxas de conexão de firewall altas, de até 220 GB/s taxa de transferência em apenas um appliance de rack-unit única. Isso inclui capacidade para suportar até 256 milhões de sessões simultâneas, o equivalente aproximado a mais de uma conexão para cada cidadão brasileiro.

Assim, os destaques do A10 Thunder CFW são a proteção de Interface Gi/SGi, que oferece mais segurança aos assinantes e defende o núcleo de infraestrutura de redes móveis  de ataques cibernéticos para garantir operações ininterruptas; proteção IPSec para backhaul de redes móveis, estar pronto para suportar as novas redes 5G e redes modernas, fornecendo opções abrangentes de transição para IPv6. 

Além do mais, acelera a adoção do SDN/NFV visto que suporta arquiteturas emergentes e oferece um appliance “pure software” flexível, pronto para apoiar data centers e arquiteturas em cloud.

“Com o A10 Thunder CFW Gi/SGi Firewall, nossos clientes aproveitam a segurança de um carrier-grade firewall, junto com a proteção DDoS integrada, e eles também têm a possibilidade de proteger suas redes para tecnologias de próxima geração”, acrescenta o executivo.

 


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor