Sonda anuncia estratégia de computação cognitiva para Utilities

EmpresasInovaçãoNegócios

Integradora quer aplicar os conceitos da inteligência artificial e automação nos serviços de atendimento ao clientes das empresas ligadas à distribuição de energia, visando redução de custos e melhoria de qualidade.

A proposta da Sonda visa aplicar os conceitos da computação cognitiva em serviços mais recorrentes de atendimento ao público, tais como emissão de segunda via de boleto, pedido de ligação, medição de tensão, religação e alteração de data de vencimento.  Com estes serviços, a empresa apoia a transformação digital do mercado de Utilities, reduz os custos, diminui erros e aumenta a eficiência e a satisfação do cliente.

“São demandas mais latentes e que utilizam algo que está um pouco mais maduro na cognição, que é a conversação ou linguagem natural, como alguns fabricantes chamam”, explica Richard Natal, diretor responsável pelas iniciativas de cognição para Utilities da Sonda.

“As concessionárias estão de olho em soluções que incentivam a economia financeira no setor de atendimento por conta dos altos custos gerados nesta área”, acrescenta o executivo.

Segundo o relatório do Information Services Group (IS), a RPA Robótica de Processos (RPA) tem permitido que empresas executem processos de negócios de cinco a dez vezes mais rápidos, utilizando 37% a menos os recursos, em média.  

De acordo com a Sonda, a ideia não é a substituir o trabalho humano mas sim, automatizar processos e libertar recursos para outras tarefas que acrescentem  valor aos negócios.

Somente o núcleo de Utilities da Sonda compreende o atendimento de mais de 12 milhões de unidades consumidoras, o que representa aproximadamente 48 milhões de habitantes. A nova estratégia assente em computação cognitiva contempla um investimento da integradora de US$ 280 milhões até ao final de 2018.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor