Kaspersky detectou mais de 7.000 ameaças em dispositivos IoT em 5 meses

Segurança

Os pesquisadores da empresa de cibersegurança revelaram durante a 7ª Cúpula Latino Americana de Analistas de Segurança, que só nos primeiros meses de 2017 foram detectadas 7.242 amostras de malware em dispositivos conectados à Internet.

O valor corresponde a mais 74% do que as amostras detectadas no período de 2013 a 2015 e quase o dobro do total de amostras do ano passado. Isso demonstra como a Internet das Coisas (IoT, em inglês) está incentivando os hackers a atacar cada vez mais dado a facilidade de criar “pequenos exércitos” de malware, como foi demonstrado no caso do Mirai.

“Estamos construindo um mundo interconectado, que nos dá a oportunidade de interagir com muitas pessoas e alcançar muitas coisas. Mas todas as tecnologias têm traços positivos e negativos. O número de dispositivos conectados nos mostra a dependência que temos da tecnologia, no entanto, um dos maiores riscos na IoT continua sendo a segurança”, diz Roberto Martinez, analista sênior de segurança da Kaspersky Lab.

A vulnerabilidade dos dispositivos conectados se deve ao fato de que, em muitos casos, o ciclo de vida do software – o firmware – não é adequado porque não há atualizações ou patches pelos fabricantes. Na maioria dos casos, as senhas são atribuídas por padrão. Além disso, existe também o pouco conhecimento por parte do usuário.

Por outro lado, os hackers encontram várias vantagens ao atacar este tipo de dispositivos, pois eles têm baixo consumo de energia, são portáteis, de baixo custo, estão disponíveis na Internet e é possível configurá-los com ferramentas de código aberto disponíveis gratuitamente.

“O aumento no número de detecções de malware nos dá uma ideia de como o ataque focado em dispositivos móveis cresceu. É uma tendência que está longe de ser reversível e aumenta a cada dia. Isso nos leva à urgência de pensar sobre quais medidas de segurança devem ser tomadas para esse tipo de tecnologia”, completa Martinez.

Além disso, os dispositivos IoT estão presentes em cada vez mais setores e em cada vez  maior número, nomeadamente na saúde e indústria.

Dessa forma, a Kaspersky aconselha a implementação de mecanismos de bloqueio de coisas que, através de um esquema de descentralização, troca de dados de forma segura e reforço no processo de autenticação e validação, tornam esses dispositivos mais seguros.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor