Opinião | Transformação digital e o futuro dos dados: na voz dos especialistas

Negócios

Para criar experiências únicas para os clientes, é preciso primeiro entender o importante papel da estratégia de dados nos negócios

Não restam dúvidas de que o mundo está em transição. Segundo a IDC, até 2021, os gastos com Internet das Coisas (Internet of Things, ou IoT) serão de aproximadamente U$S 1,4 trilhão, enquanto empresas continuam investindo em hardware, software, serviços e conectividade que viabilizam esse cenário. Mas falar sobre o futuro é ir além de buzzwords, como a própria IoT e inteligência artificial, por exemplo.

Todos estão atentos, é claro, às predições feitas por consultorias em todo o globo que mostram a urgência em falar sobre o que deve ser feito hoje para pavimentar o futuro a partir do desenvolvimento de soluções inovadoras. Falo da estratégia de dados (data strategy) ou, mais especificamente, o planejamento inteligente de negócios orientado pela extração de valor dos dados.

O termo big data certamente não é novo, já que o conceito começou a ganhar espaço nas discussões corporativas ainda nos anos 2000. O ponto central do momento em que vivemos é uma evolução da necessidade de, não apenas gerar e armazenar os dados – estruturados ou não -, mas analisá-los e tratá-los para ganhar vantagem competitiva.

O uso diferenciado das análises de big data é uma novidade e todos estão em busca das melhores opções estratégicas. Tenho ouvido e pesquisado a opinião de diversos executivos de mercado sobre o assunto. Compartilho aqui algumas das visões que reuni ao longo de minha jornada pessoal para que, juntos, cheguemos ao almejado uso tático de IoT via data strategy. E faço também um convite para que você compartilhe seus insights sobre o tema nos comentários.

Além do frenesi

“A integração e formação dessa base de dados, que é o pilar para big data e analytics, é o desafio das organizações de hoje. É a matéria prima dos chamados data scientists, que tem como missão encontrar a solução via analytics e partir para a complexa integração de diferentes sítios de dados, formando, de fato, um data lake”

Pedro Saenger, vice-presidente para América Latina da Hitachi Vantara

Convergência entre tecnologia da informação e tecnologia operacional

“No novo modelo de consumo do cliente, não falamos apenas sobre prover a solução, falamos sobre como gerenciar as necessidades dele como um todo. É o cliente no centro da transformação. A data strategy é baseada fundamentalmente em saber tirar vantagem das informações, combinando-as de diferentes maneiras a fim de customizar experiências”

Cindy McCurley, diretora para a divisão de cloud e convergência da Hitachi Vantara

Informações não se personalizam sozinhas

“O valor da aplicação de inteligência artificial está diretamente relacionado ao treinamento dos algoritmos. A maioria das aplicações de inteligência artificial atuais começa com um ou mais algoritmos ‘burros’, que se tornam inteligentes somente após serem treinados, principalmente com os dados específicos da empresa. O treinamento bem-sucedido depende de sistemas de informação que possam reunir dados de treinamento que sejam relevantes”

Cezar Taurion, consultor e diretor da Kick Ventures

O valor da estratégia de dados

“A extração de valor das informações ainda não é feita devidamente, porque tratam dados como TI e não como negócios. Todo mundo entende o valor das informações, mas poucos sabem como fazer, verdadeiramente, uma estratégia orientada por dados”

André Vilela, diretor regional de serviços profissionais da Hitachi Vantara

Planejamento é a chave

“É preciso definir o quão ofensiva e defensiva a estratégia de dados deve ser. Antes de fazer uma imersão em dados, é preciso definir o planejamento. É a mesma coisa que ir a um conselheiro financeiro e ter que responder se está disposto a enfrentar riscos elevados para ter grandes retornos ou ter aversão a riscos e manter-se mais conservador”

Tom Davenport, professor de Tecnologia da Informação e Gestão do Babson College e cofundador do International Institute for Analytics (Instituto Internacional de Analytic, em tradução livre)

Os dados em 2018

“Para o próximo ano veremos desafios na governança de dados, que anteriormente baseou-se no processamento de dados e metadados (dados sobre outros dados). A nova governança de dados deve considerar o contexto dos dados e ser flexível para se adaptar rapidamente à medida que surgem regulamentos sobre novos processos e tipos de informações, como criptomoedas”

Hu Yoshida, vice-presidente e CTO global da Hitachi Vantara