Oi defende legalidade de seu plano de recuperação

OperadorasRedes

A operadora de telefonia defendeu a legalidade do plano de recuperação aprovado por credores em dezembro e a ação de seus dirigentes através de comunicado enviado à Reuters. A Oi toma posição após a Bratel Brasil, a principal acionista, ter pedido uma assembleia geral de acionistas para discutir a legalidade do plano.

Bratel Brasil, controlada pela Pharol SGPS, que tem 22,34 por cento da Oi, pediu no dia 29 a convocação de assembleia de acionistas para analisar proposta de ação de responsabilidade civil contra administradores da Oi por “ações ilegais e violação do estatuto social da companhia”.

A  operadora, que está em recuperação judicial e viu o seu plano aprovado no passado dia 20 de dezembro em assembleia de credores, disse no comunicado que a negociação do plano de reestruturação está em concordância com as orientações do juiz de falência que supervisiona o caso.

“Não cabe, portanto, nenhuma alegação que vise a atribuir a qualquer integrante da administração da Oi suposta ilegalidade ou violação do estatuto da companhia”, disse a Oi à Reuters.