Alibaba e Tencent em batalha de varejo

EmpresasNegócios

As tecnológicas chinesas Alibaba e Tencent estão numa guerra comercial de varejo, forçando os comerciantes a escolherem lados pelas carteiras digitais dos compradores.

É uma guerra de gigantes. As tecnológicas chinesas Alibaba e Tencent, que, em combinação, estão avaliadas em US$ 1 trilhão, estão numa guerra comercial de varejo, forçando os comerciantes a escolherem lados pelas carteiras digitais dos compradores.

Desde o início do ano passado, as duas empresas passaram mais de US$10 bilhões em negócios focados no varejo, aumentando seu alcance online e em lojas tradicionais.

Essa movimentação está sendo apoiada por grandes quantidades de dinheiro e por um aumento dos preços das ações e faz parte de uma batalha para conquistar consumidores e operadores de lojas para o pagamento, a logísticas, as mídias sociais e os grandes serviços de dados das duas empresas.

Jason Yu, diretor-geral da Kurt Worldpanel, uma empresa de pesquisa de mercado, explicou que “todos os varejistas estão muito preocupados” porque “têm que tomar um lado”. Caso contrário, diz Yu, “temem que sejam comidos vivos no futuro”.

A Alibabe é a principal empresa de comércio eletrônico da China e a Ant Financial, sua subsidiária, lidera o mercado de pagamentos móveis. Os pontos fortes da Tencent residem nas mídias sociais, pagamentos digitais e jogos. A Tencent também tem uma grande participação no segundo maior varejistas online, a JD.com.

A Tencent e a JD.com têm cada vez mais aliados, incluindo o comerciante francês Carrefour, que anunciou um investimento potencial da Tencent e do Walmart.

Por fim, a Tencent tem vindo a comprar participação em várias empresas. As mais notórias são a Yonghui Superstores, as lojas de vestuário Vipshop Holdings e Heilan Home, o operador de shopping Wand Commercial e, este mês, conseguiu uma parceria estratégica com a Bubugao.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor