Gartner. Despesas globais de TI atingirão os 3,7 trilhões em 2018

CloudData StorageEmpresasFinançasNegócios

A Gartner anunciou que as despesas globais de TI deverão totalizar 3,7 trilhões de dólares durante esse ano de 2018.

A Gartner, uma empresa de pesquisa e aconselhamento imparcial em tecnologia, anunciou que as despesas globais de TI deverão totalizar 3,7 trilhões de dólares durante esse ano de 2018. A confirmar, esse será um aumento de 4,5% em relação a 2017.

“O crescimento global das despesas de TI começou a mudar em 2017, com o crescimento contínuo esperado para os anos seguintes. No entanto, a incerteza surge quando as organizações consideram os potenciais impactos do Brexit (saída do Reino Unido da União Europeia), as flutuações cambiais e uma possível recessão global”, diz John-David Lovelock, Vice-Presidente de Pesquisas do Gartner.

“Apesar da incerteza, as empresas continuarão a investir em TI à medida que antecipam o crescimento da receita, mas seus padrões de gastos mudarão. Projetos em Negócios Digitais, Blockchain, Internet das Coisas (IoT) e o avanço do Big Data para algoritmos, para Aprendizado de Máquina (Machine Learning) e para Inteligência Artificial (IA) continuarão a ser os principais drives de crescimento”.

Software corporativo continua apresentando um forte crescimento com as despesas mundiais projetadas para um crescimento de 9,5% em 2018, chegando a 8,4% em 2019, com um total de US$ 421 bilhões. Espera-se que as organizações aumentem os gastos com sistemas de gestão corporativa em 2018, com uma parte do orçamento mudando para o modelo Software como Serviço (SaaS).

A crescente disponibilidade de soluções baseadas em SaaS vai incentivar novas adoções e despesas em muitas subcategorias, tais como sistemas para gerenciamento financeiro, gerenciamento de capital humano e aplicações analíticas (Analytic Applications).

“Olhando para algumas das principais áreas que impulsionam os gastos nos próximos anos, o Gartner prevê US$ 2,9 trilhões em novas oportunidades de geração de negócios envolvendo Inteligência Artificial até 2021, bem como a capacidade de recuperar 6,2 bilhões de horas de produtividade de trabalhadores”, explica Lovelock. “Esse valor comercial é atribuído ao uso da Inteligência Artificial para, por exemplo, gerar ganhos de eficiência, criar insights que personalizem a experiência dos clientes, atrair engajamento e vendas, assim como ajudar na expansão de oportunidades para aumento de receita como parte de novos modelos de negócios impulsionados pelas informações obtidas com dados.”

“Capturar o potencial valor de negócio exigirá investimentos, especialmente quando se procura redução de custos a curto prazo. Os gastos com Inteligência Artificial para melhorar a experiência dos clientes e a geração de receita provavelmente beneficiarão o crescimento do setor de IA, como um multiplicador de força. Os custos de implementação serão superados pelos efeitos positivos de rede e, consequentemente, pelo aumento de receita”, diz Lovelock.

Read also :

Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor