Como criar uma palavra chave eficiente

Segurança

A palavra chave é o primeiro passo para proteger uma determinada conta e, como tal, o usuário deverá ter a melhor password possível.

Cada um seu modo, muitos fabricantes de soluções e entidades envolvidas com a segurança digital têm divulgado os dias 4, 5 e 7 de maio como sendo o Dia Mundial da Senha Segura. No entanto, uma coisa é certa: todo dia é necessário usar uma palavra chave forte para impedir o acesso indesejado a qualquer um dos serviços na Internet e sistemas computacionais.

Em média, cada usuário acessa 26 serviços online que exigem uma senha. A maioria delas, por exemplo, em redes sociais ou lojas online é um elemento importante na proteção destas contas para evitar a ação de criminosos cibernéticos.

O especialista Bruno Lucio Maciel Pinheiro, da FirstSecurity, empresa que distribui as soluções antivírus da G Data no Brasil, comenta que durante anos os especialistas em segurança de TI vêm trabalhando para chegar a conclusões que nos permitem estabelecer com clareza quais elementos devem incorporar uma senha tornando-a realmente robusta. “Anteriormente, analistas e pesquisadores concordavam que uma senha deveria conter pelo menos oito caracteres aleatórios, sem formar palavras que pudessem ser encontradas em qualquer dicionário. Ainda hoje, estas ainda são as diretrizes de gigantes como o Google. No entanto, o cenário atual exige mais que senhas fortes, além da atenção redobrada dos usuários para novos tipos de ameaças criadas diariamente pelos invasores mal-intencionados”.

Para criar uma palavra chave eficiente, o usuário deve:

Usar um gerenciador de senhas: Esta é a maneira muito fácil de controlar muitas senhas complexas e também os serviços online: redes sociais, compras online, serviços bancários, e-mail. No mercado existem boas ferramentas antivírus que oferecem este recurso;

Usar senhas longas: Uma nova abordagem aponta que senhas longas são melhores do que as complexas, especialmente se estas são muito curtas. Uma senha que combina caracteres alfanuméricos, maiúsculos e minúsculos não será efetiva se for muito pequena. Uma senha complexa com seis caracteres reúne 309 milhões de combinações, nada que um programa moderno não consiga resolver em poucos segundos. No entanto, se elevarmos esse número de caracteres para doze, o programa levará vários anos para decifrar a chave, mesmo com a capacidade computacional atual;

Usar frases-chave: Senhas como “1234”, “password” ou qualquer palavra que você pode encontrar no dicionário são muito fáceis de serem quebradas. Se você usar uma frase, por exemplo, ela não deve ser muito curta ou óbvia. Os cyber criminosos usam ferramentas avançadas que permitem gerar combinações de palavras estatisticamente prováveis e que revelam rapidamente as senhas geradas a partir de frases simples. Um exemplo é transformar uma frase (uso contra senhas fortes, por exemplo) em uma combinação aleatória de caracteres “US0 c0ntr @ s @ S3N f0rt3s.” Aproveite os espaços entre as palavras para torná-la ainda mais complexa e robusta: Muitos usuários não sabem que podem usá-los ao criar uma boa senha e este é um truque muito interessante;

Mudar suas senhas regularmente: Quando você alterar uma senha, a nova nunca deve ser uma derivação do original (há muitos usuários que usam esta regra de má reputação e adicionam um número ou letra à primeira palavra chave criada). Geralmente, uma única mudança vale a pena quando o serviço web exige ou quando temos suspeita que o provedor do serviço tenha sofrido uma invasão cibernética;

Autenticação de dois fatores: Logon em duas etapas é uma ótima maneira de se acessar a qualquer serviço na Internet. Facebook, LinkedIn, Dropbox, Google, PayPal e, em geral, os provedores de serviços mais reconhecidos, já oferecem essa opção. Na empresa em que você trabalha, ou na sua escola, verifique se existe esta funcionalidade disponível.