Empregadores acham difícil recrutar pessoas com deficiência

EmpresasNegócios

85% dos recrutadores consideram muito mais difícil encontrar pessoas com deficiência para preencher as vagas quando comparado aos demais processos.

Pesquisa realizada pela Catho em parceria com a i.Social, a ABRH Brasil e a ABRH-SP, mostra que 85% dos recrutadores consideram muito mais difícil encontrar pessoas com deficiência para preencher as vagas quando comparado aos demais processos seletivos, mostrando que a inclusão destes profissionais no mercado de trabalho ainda é um grande desafio – para ambas as partes.

Os recrutadores costumam buscar candidatos em sites de emprego (21,92%) e por indicações (21,42%) e a Catho auxilia neste processo seletivo, já que todas as suas vagas estão abertas para candidatos PCDs, mesmo às não exclusivas, e o acesso é gratuito.

“Nós oferecemos esse serviço gratuito aos candidatos porque queremos facilitar o ingresso dessas pessoas no competitivo mercado de trabalho e também porque a Catho acredita que existe a vaga certa para o profissional certo, e isso vai além da Lei de Cotas ou vagas exclusivas”, afirma Luana Marley, supervisora de assessoria de carreira da Catho.

A maior dificuldade para o RH, segundo o estudo, é a baixa qualificação de profissionais com deficiência (19%), a falta de acessibilidade (15%) e resistência dos gestores (14%). “A baixa escolaridade não é exatamente uma realidade. A pesquisa mostra que 34% dos respondentes têm formação superior, incluindo mestrado, 23% estão cursando ou tem superior incompleto e 32% têm o ensino médio completo”, ressalta Luana. “A verdade é que ainda há muita desinformação neste mercado e falta uma política mais inclusiva nas empresas”, conclui.