CEBIT o novo festival europeu de TI começa já no dia 11

EmpresasNegócios

Especial de Hannover: A cidade alemã de Hannover transformou a CEBIT na sua feira de negócios mais icónica. O que não implica que tenha sido sempre perfeito. Durante estes últimos anos de crise e desaceleração econômica, a CEBIT decaiu e não soube manter a sua fama de feira principal do recinto de Hannover, assistindo ainda de “cadeirinha” ao

Especial de Hannover:

A cidade alemã de Hannover transformou a CEBIT na sua feira de negócios mais icónica. O que não implica que tenha sido sempre perfeito. Durante estes últimos anos de crise e desaceleração econômica, a CEBIT decaiu e não soube manter a sua fama de feira principal do recinto de Hannover, assistindo ainda de “cadeirinha” ao crescimento de outras concorrentes na Europa, como o Mobile World Congress, ou o Web Summit, entre outras feiras e convenções que se vão realizando um pouco por toda a parte. Para além das empresas terem iniciado um novo ciclo estratégico, no que diz respeito setor dos eventos, e em alguns casos optarem por criar os seus próprios eventos, com os vários fabricantes a envolver os seus parceiros, distribuidores integradores, que sendo na maior parte dos casos os mesmos, a partilha de custos torna a realização destes eventos aliciante. Hannover deixou assim de ser a cidade onde tudo acontecia, e onde os fabricantes aproveitavam para reunir as suas “tropas” espalhadas pelo mundo. 

Naturalmente a CEBIT, que depende da agência federal Deutsche Messe AG, teve de ser repensada, e a organização colocou a discussão para transformação desta feira um plano duplo: por um lado, continuar com o mesmo local ou optar por alguma outra cidade com melhores conexões e mais infraestruturas hoteleiras.  Por outro, manter o perfil tradicional do visitante profissional ou optar por um facelift e tentar atrair novos públicos para injetar uma nova seiva que garantisse sua continuidade. No passado, a CEBIT conseguiu alugar mais de 400.000 m2 e atrair a presença de mais de 700.000 visitantes, e exportou este seu modelo para Istambul, Xangai, Sydney ou Cidade do México, com êxito.

 

Mas este é o tempo de trabalhar para atrair novos públicos, a pressão dos expositores foi clara: é preciso atrair a geração milênio, público-alvo das suas campanhas promocionais, e a geração jovem que está assumindo não só os centros de decisão nas empresas, mas em geral na sociedade, uma vez que são os que mais contribuem para a inovação por via dos negócios digitais nativos, por definição. 

Uma das principais motivações da organização tem sido o envolvimento máximo das autoridades municipais, que oferecem todas as facilidades para que Hannover seja lembrada como um excelente destino turístico. Para isso, as datas do mês tradicional para este encontro, março, tiveram que ser movidas para um mês incomum, para um evento de tecnologia, junho (entre 10 e 15), podendo assim a CEBIT fornecer uma programação tradicional com novos conteúdos de lazer e entretenimento. Com o argumento perfeito da inflação do mundo digital em todas as esferas da vida.

A cidade já se engalanou, como se fosse receber um festival verão, bandeiras, e mupis, com frases que apela ao evento “Ce you in a bit”, um jogo de palavras entre a CEBIT e o ”vemo-nos daqui a pouco”. Para Stefen Schostok, prefeito de Hannover, “a CEBIT é um evento que une e representa a cidade de Hannover e a projeta para todo o mundo como um destino aberto e internacional. Hannover é uma cidade comprometida com a mudança digital e enfrentamos diversos desafios e oportunidades em todos os tipos de áreas, a fim de incentivar não só a atração de empresas, mas também o foco na sociedade: educação, conhecimento, saúde, mobilidade, trânsito, arte e cultura … Como uma cidade de música declarada pela Unesco, teremos um importante programa de diversas atividades musicais e festas que tornarão a estadia dos visitantes memorável“.

B2B pode ser divertido

Do antigo modelo da CEBIT fica apenas o nome, o novo modelo foi totalmente redesenhado para que as expectativas dos expositores e participantes fossem totalmente integradas no evento, embora haja alguma coisa que permanece na mesma. A sua utilidade como ponto de encontro e gerador de negócios, para todos os interessados ​​neste misto de conferência, e espaço de encontro, que pretende voltar a ser reconhecido, como a feira, ou melhor, o festival número um na Europa de tecnologia digital, inovação e desenvolvimento de negócios.

“A nova CEBIT faz da digitalização uma experiência completa. Para nós, era essencial continuar a manter um local de referência para o setor de TIC no continente europeu. Mas não visamos apenas as empresas de TIC, mas de todos os setores: indústria, automobilística, bancária, consultoria, consumo, aeroespacial, química, ferroviária … O conceito tradicional de feira dá lugar a um conceito mais próximo do de um festival de música de verão: as pessoas têm que vir para se divertir “, explica Oliver Frese, delegado do Deutsche Messe para a CEBIT. E para mostrar todas estas dinâmicas, o local foi estruturado em quatro espaços, tais como:

  • Sete pavilhões da d!economy (três para servidores, redes e segurança para empresas, e quatro para a transformação digital de organizações, escritórios e administrações públicas) que acomodarão entre 2.500 e 2.800 empresas de 70 países diferentes . “Como questões centrais, vamos falar sobre trabalho 4.0 e colaboração, blockchain, robótica e humanóides, drones, inteligência artificial, realidade virtual e realidade aumentada, internet das coisas, impressão 3D, 5G …”, frisou Frese;
  • Três pavilhões de d!tec com as novas tecnologias, histórias de sucesso e negócios emergentes, workshops e eventos de parceiros, incluindo mais de 350 star-tups de todo o mundo “que têm a coragem e a criatividade para desafiar a maneira como estávamos habituados a trabalhar e criar um novo modelo de negócios baseado em tecnologia “, ao que se juntam os patrocinadores “premium”; assim como a  Deutsche Bahn, Volkswagen (que empregam 17.500 pessoas em Hannover), Atos (agora propriedade da Siemens), Salesforce ( com um pavilhão só para eles), Ricoh, Oracle, IBM, LG, Huawei e HPE, e start-ups como SoftBank Robotics, VRTX Labs, Amagno, Materna, AI Park, Crashtest Segurança, Nepos, e.GO mobile, ECOIN Investments, Ionity ou Silpion;
  • O  d!talk  tem um novo formato de palestras e conferências com um palco central para palestras e outros dez pequenos cantos integrados em cada um dos dez pavilhões, com um programa contínuo no qual os palestrantes terão os seus minutos de glória para apresentar as suas soluções, serviços e modelos de negócios, ou resolver qualquer problema que tenha a ver com estilos de vida digitais e com o futuro. Assim, espera-se que haja mais de 800 palestrantes internacionais que contribuirão para um programa de 300 horas de palestras em uma espécie de mistura entre a mais inspiradoras das “TED Talks” e as “Elevator Pitches” para tentar levantar fundos em poucos minutos. Breve e conciso, e se eles poderem ser agradáveis ​​e memoráveis ​​melhor ainda;
  • O espaço do campus, coloca os terraços da emblemática EXPO Canopy, dentro deste festival de tecnologia, tornando o ambiente mais descontraído, entre cervejas, petiscos de todo mundo e networking, além de apresentações mais interativas e participativas. “Os bilhetes para a festa de encerramento custarão 20 euros e darão acesso a um programa especial destinado às pequenas e médias empresas, haverá corridas de drones, e encontros de empresários, segundo Frese. O novo formato da CEBIT promete uma infinidade de workshops e sessões de networking, sempre sob uma perspetiva de negócios. 

Café e bolinhos

No dia da pré-estreia que a CEBIT organizou para a imprensa especializada, novos detalhes foram anunciados, como a ampliação das sessões paralelas a realizar nas ruas do centro de Hannover, com o objetivo de aumentar o envolvimento da cidade com a feira. Assim, as ruas pedestres que rodeiam a praça Kröpke serão o quinto palco em torno do d!lounge , onde os transeuntes e espectadores poderão ouvir várias palestras sobre a tecnologia do futuro e a cultura digital, que será ampliada com sessões de DJ e performances ao vivo em vários locais.

Com a colaboração da associação empresarial City-Gemeinschaft será oficialmente aberta no domingo, 10 de junho, com uma festa. “A partir da segunda-feira 11, um Coffee Break Digital será realizado todos os dias às três da tarde, com um painel de discussão escolhido com os tópicos mais quentes. As pessoas podem participar, tomar um café e bolinhos e entrar na discussão que abordará várias questões importantes, como: Que novas profissões estão surgindo em torno da digitalização, que profissões estão sendo transformadas no processo e quais irão desaparecer? Como podemos manter nossas informações pessoais seguras em um ambiente digital? Como crianças, jovens e adultos podem interagir com segurança nas redes sociais? segundo Frese: “Além disso, ao longo do dia, os transeuntes podem assistir às transmissões de streaming das conferências d!talk em telas gigantes localizadas na Praça Kröpke”.

Outros dois momentos de grande importância  para a organização serão: na quinta-feira o CEBIT Club Night, que em colaboração com o Salão Der Rote e a agência Cidade da Música da Unesco dará atenção especial aos ritmos de dança e a cenografia mais digital na impressionante e histórica Cumberlandsche Galerie; e sexta-feira a festa de encerramento com o Digital Friday, um festival cheio de apresentações musicais que começa às seis da tarde, dura toda a noite, e que promete uma surpresa estelar que será revelada apenas algumas horas antes. Nenhuma feira de tecnologia se parecia tanto com um festival de música. “Com o objetivo de reviver o espírito da Expo 2000 que todos nos lembramos com muito carinho, esperamos receber um grande aumento de visitantes em relação aos anos anteriores”, confessou Frese.

Estão no nosso entender reunidas as condições necessárias para que a CEBIT recupere o estatuto de outros tempos.

Read also :

Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor